Omar apresenta propostas em debate de candidatos ao Senado na Record News Manaus

By -

omar-debate1O candidato ao Senado Federal, Omar Aziz (PSD), apresentou propostas e prestou contas da sua atuação como o governador mais bem avaliado do Brasil no debate realizado pela TV Record News Manaus, na noite desta quarta-feira (17), na sede da emissora pertencente à Rede Diário de Comunicação, na zona centro-sul de Manaus. Na avaliação de Omar, o debate foi primordial para a apresentação das propostas. “Tiramos as carapuças e mostramos os candidatos terceirizados”, avaliou.

No primeiro bloco, Omar falou sobre sua experiência política e o mandato de quatro anos como governador. Segundo pesquisa do Ibope, a administração dele foi a mais bem avaliada do Brasil. “Entrei e saí do governo de cabeça erguida. Não tive um escândalo que envergonhasse quem votou em mim. Sei das dificuldades que a população enfrenta e sei da importância de o Amazonas ter um senador com essa experiência. Vou estar no Senado de cabeça erguida, sem ser subserviente. Vou levantar a bandeira do Amazonas com uma voz altiva”, afirmou.

No segundo bloco, o candidato ao Senado foi questionado sobre a atuação política nas redes sociais. Com a autoridade de quem já mantém uma conta pessoal no Twitter, Facebook, Instagram, YouTube, Flickr e SoundCloud, Omar ressaltou a importância de lutar por uma internet de qualidade no Amazonas, para que a população continue fiscalizando a atuação política por todos os meios, inclusive pelas redes sociais.

No terceiro bloco, Omar foi questionado sobre projetos na área da saúde e lembrou que, como governador, foi pioneiro ao promover a vacinação contra o HPV e a implantação de mamógrafos no interior do Amazonas. “O governo federal poderia investir mais recursos. O Amazonas está sendo discriminado. Um amazonense vale menos que um gaúcho. No Rio Grande do Sul, se paga R$ 222 por pessoa, por uma intervenção (cirúrgica). No Amazonas, se paga R$ 146, e olha que a gente lutou muito para chegar a esse valor. Temos que fazer Justiça com as regiões que mais precisam e não vejo nenhum parlamentar tratar disso no Congresso. Vejo muito parlamentar fazendo críticas. Mas só o nosso governo trouxe os mamógrafos para o interior. Já implantamos em 19 municípios. Está 19 a 0 para o nosso governo. Quando completarmos todos os municípios, será 61 a 0”, disparou.

omar-debate2Ainda no terceiro bloco, com o intuito de discutir propostas, Omar questionou o candidato Professor Queiroz (PSOL) sobre projetos para portadores de necessidades especiais. Na réplica, anunciou que vai atuar para que o governo federal priorize a questão. “Criamos uma secretaria especial para cuidar desta causa tão importante. Nos colocamos no lugar de uma mãe e de um pai que passam por isso. Como senador, vou lutar por mais recursos e exigir que o governo federal tenha esta luta como prioridade e não como uma questão secundária”, assegurou.

O último bloco do debate foi dedicado às considerações finais dos candidatos. Omar ressaltou que o Amazonas precisa de um senador experiente, que conheça os problemas reais da capital e do interior do Amazonas. “Vejo muita gente falando em segurança pública. Mas os governadores passaram e nenhum apresentou um programa de segurança pública. O último projeto bem-sucedido foi o Galera Nota Dez, que eu implantei quando fui secretário de segurança. Tive que ser governador para fazer o outro programa, o Ronda no Bairro. Ele tem problemas, mas nós tivemos a coragem de implantar o projeto”, resumiu.

Antes do fim do programa, a direção da Record News Manaus concedeu um direito de resposta a Omar, após um dos candidatos usar seu respectivo tempo para ataques gratuitos. “O Praciano perdeu o discurso. Ele tinha uma história construída. Esta aliança fez com que toda a história dele se acabasse em um minuto. Oportunismo ou representa o que ele realmente é. Esta conversa querendo justificar se ele apoia A ou B, ele apoia o candidato que ele entrou com uma ação por improbidade, pedindo que ele devolvesse R$ 30 milhões por ter feito publicidade. Tem uma ação dele contra o candidato dele a governo. E ainda diz que isso é coerência política. Não, ele está terceirizado nesta eleição. Ele perdeu o respeito por si próprio e pela história dele. Eu continuo defendendo aquilo que eu acredito. E vou continuar defendendo. Agora nós temos que tratar as coisas com mais seriedade e não é numa mesa de bar que nós vamos resolver os problemas do povo amazonense”, finalizou Omar.

Roberto Brasil