O mau cheiro está no ar

By -

centro-terreno-abandonado-colagem 1Da Redação – Diz uma música de um compositor amazonense que “o amor está no ar”, mas no caso de um terreno cercado, mas abandonado, localizado na avenida Getúlio Vargas, em pleno Centro de Manaus, o que está no ar é um odor de fezes incrível, pra ninguém botar defeito. Tudo porque moradores de rua, mendigos, drogados, flanelinhas que atuam na área, e outros transeuntes, resolveram fazer do lugar uso pra suas necessidades fisiológicas, através de uma abertura que fizeram na parede. Na realidade, a área, passou a ser uma grande latrina a céu aberto e está tomada por imenso matagal, inclusive servindo também para deposito de lixo.

O terreno é grande, quase um quarteirão, ficando na esquina da Getúlio Vargas com Monsenhor Coutinho. As pessoas que ali passam tomam um susto quando inspiram e sentem que, pelo menos ali naquela parte, “o amor não está no ar”, e sim um odor horrível de fezes perseguindo o cheiro suave da vida. A vontade é de tomar outro rumo, voar, até fugir para outro planeta porque o negócio é serio. É fedor demais, mas aí como não somos alados e nem temos carro da Fórmula 1, só nos resta lembrar do que diziam nossos avós:  “sebo nas canelas”,  apressar o passo, “bater o calcanhar na bunda” e sair fora para poder inspirar, realmente, “o amor que está no ar”, dito na música de um dos maiores compositores do amazonas, Chico da Silva.

centro-terreno-abandonado-4As fotos reforçam aquilo que o texto descreve. É mais uma maneira de mostrar o quanto existem lugares, na nossa querida cidade, que estão abandonados. Sabemos que não é fácil cuidar dessa nossa casa tão grande. As vezes pensamos que fazemos tudo e nem ligamos, nem sentimos o cheiro do que está bem perto do nosso nariz, pois é preciso parar, olhar ou tropeçar para só então um problema seja percebido, pois nem sempre o que o olhar vê o nariz sente. Então, vamos ver se aparece o dono do tal terreno para mandar fazer uma limpeza, fechar a entrada. Enfim, manter o ar do lugar respirável para todos. Até porque, o local pode ser um depósito de outras coisas nocivas à saúde da população, principalmente, agora que há uma preocupação com o mosquito Aedes Aegypti, de tentar frear a sua proliferação, sua picada transmite várias doenças causando sérios problemas a vida do cidadão e ao erário público. A prevenção passa também por cuidar desses terrenos baldios, abandonados, que existem no seio urbano das cidades e que, de certa forma, colaboram servindo de berçários para a procriação e a infestação de mosquitos. (Texto e Fotos: David Almeida)

Roberto Brasil