NOTA PÚBLICA: A ATIVIDADE JORNALÍSTICA, O JORNALISTA E AS ELEIÇÕES

By -

sindicato

 

A aproximação das eleições municipais na cidade de Manaus, começa a provocar algumas alterações ao ambiente da campanha eleitoral, até então, calmo e sem chamar muito a atenção dos eleitores. Há duas semanas do pleito, emerge no atual cenário, a velha e nefasta prática de pessoas e grupos políticos em tentar agredir a imagem e a privacidade de candidatos com  notas, declarações apócrifas, manifestações negativas nas redes sociais, numa ação com sinais de orquestração na busca de melhorar o pífio desempenho de alguns candidatos e partidos nesta reta final da campanha eleitoral.

O  Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Amazonas – SJP/AM, em consequência da conjuntura política no município condena essas velhas práticas políticas que buscam subordinar os interesses maiores do jornalismo ao sucesso das campanha e a eleição de candidatos e partidos, reforçando a ideia que os fins justificam a adoção de quaisquer meios para obtenção da vitória.

O exercício da profissão de jornalista se constitui em atividade de natureza social voltada ao interesse público.Nossa contribuição às eleições passa pelo compromisso fundamental do jornalista: com a verdade no relato dos fatos, razão pela qual ele deve pautar seu trabalho pela precisa apuração e pela sua correta divulgação (Art.3º – Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros).

Devemos também contribuir com o processo eleitoral, esclarecendo dúvidas aos eleitores, denunciando o uso do caixa dois nas campanhas e a tentativa de impedir o livre exercício profissional. Candidato algum tem o direito de ameaçar jornalista por se sentir prejudicado em uma publicação. Há meios legais para solução dese tipo de conflito e reparação de possíveis danos à sua imagem pública por meio da Justiça Eleitoral. De igual importância com base a responsabilidade profissional do jornalista, ele não pode divulgar informações, visando o interesse pessoal ou buscando vantagem econômica (Art.11º – Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros).

A cada dois anos são realizadas eleições no país. Composições de chapas partidárias para vencer as eleições são criadas para atender interesses de candidatos e grupos políticos, como parte do jogo democrático e respaldadas por legislação pertinente. Cabe ao jornalista ameaçado registrar o fato em Boletim de Ocorrência no Distrito Policial mais próximo, denunciar a ameaça à sua entidade representativa, que deverá assegurar assistência jurídica para sua orientação a fim de buscar a reparação do crime junto à Justiça.

Ao final, reafirmamos que, jornalismo de qualidade e interesse público, se faz com o uso da ética profissional. E, por sua natureza social, o exercício da profissão de jornalista deve estar subordinado ao Código Ético da categoria no país.

Manaus, 19 de setembro de 2016.

Diretoria

SINDICATO DOS JORNALISTAS PROFISSIONAIS NO ESTADO DO AMAZONAS – SJP/AM

Mario Dantas