Neymar é alvo de injúrias raciais de torcedores em clássico da Catalunha

By -
Neymar vem sendo alvo de ataques racistas em jogos internacionais

Neymar vem sendo alvo de ataques racistas em jogos internacionais

O atacante brasileiro Neymar foi alvo de injúrias raciais pelos torcedores do Espanyol antes do clássico contra o Barcelona, neste sábado (2), no estádio Cornellà-El Prat, em jogo válido pelo Campeonato Espanhol.

Esta não foi a primeira vez que Neymar foi vítima dos ataques dos torcedores do Espanyol, arquirrival regional do Barcelona –os dois times são da Catalunha, região autônoma da Espanha.

Em março de 2014, no mesmo estádio, parte da torcida fez sons de macaco contra o brasileiro.

Naquela ocasião, durante o segundo tempo, uma banana também foi atirada no gramado. Neymar irritou a torcida da casa ao participar da jogada que deu origem ao único gol da partida, anotado pelo argentino Lionel Messi. Jogadores do Espanyol reclamaram que o brasileiro tocou a mão na bola.

Torcedores também reclamaram do que consideraram simulações de faltas do atacante, vaiado fortemente ao ser substituído pelo chileno Alexis Sánchez, nos minutos finais da partida.

No jogo deste sábado (02), o clássico terminou 0 a 0. Neymar não deu declarações sobre o episódio. Questionado por jornalistas, o técnico Luis Enrique disse: “Gritos racistas para Neymar? Estou concentrado apenas no que acontece no jogo”.

Já o ex-dirigente do Barcelona, Toni Freixa, usou o Twitter para denunciar os insultos direcionados ao atacante.

“Espero que os gritos racistas contra Neymar sejam escritos na súmula da arbitragem”, escreveu Freixa.

Assim como o ex-dirigente, o zagueiro Piqué também pediu justiça.

“Cânticos racistas contra Neymar? Aqueles que fizeram isso devem ser identificados, um por um “, disse.

É a terceira vez em que Neymar sofre ataque de origem racial em partidas internacionais.

Em 2011, quando jogou pela seleção brasileira contra a Escócia, um adolescente alemão também lançou uma banana em campo em direção ao jogador.

OUTROS CASOS

Outros brasileiros já sofreram com injúrias raciais na Europa.

Durante partida na Espanha, em abril de 2014, o jogador Daniel Alves, do Barcelona, comeu uma banana atirada por um torcedor do Villarreal.

Outro brasileiro que sofre com inúmeros atos racistas é o atacante Hulk, que atua no Zenit, da Rússia. Na última delas, em setembro do ano passado, o jogador mandou beijos para os torcedores adversários quando deixou o campo após ser substituído. O gesto foi uma resposta a insultos e xingamentos racistas vindos das arquibancadas.

No Zenit desde 2012, Hulk já disse que o problema acontece em quase todos os jogos do Campeonato Russo. No fim de 2014, Hulk chegou a levar à diretoria do Zenit, uma reclamação contra um árbitro da liga local, que o teria dito “não gostar de preto”, segundo o jogador.

Em julho, logo após uma de suas inúmeras reclamações sobre o tema, o atacante desistiu de participar do sorteio da Copa do Mundo de 2018, na Rússia, para o qual fora convidado pela Fifa. Ele disse ainda que o racismo na Rússia é uma vergonha e teme que a problema possa manchar a Copa no país daqui a dois anos. *FOLHAPRESS

Roberto Brasil