NATAL, LUZES E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

By -

Fim de ano é tempo de natal e de renovação de perspectivas e expectativas. Que na tradição cristã jubila o nascimento de Jesus Cristo como ícone de esperança da paz e do amor ao próximo, por um mundo melhor.
Um mundo melhor nos dias de hoje implica necessariamente a qualidade do meio ambiente e o modo como lidamos com isso. Dessa forma, realizar ações que contribuam, em qualquer que seja a escala, para reduzir impactos ambientais são importantes. Assim nasceu o projeto da Árvore de Natal da Max Teixeira. Produzida em aço tubular e cabos metálicos, ornada com uma combinação de materiais, utiliza toda uma estrutura de suporte feita de garrafas pet recicladas, aproximadamente 50 mil, das quais foi utilizado o fundo das garrafas e aproveitado para a reflexão ótica das centenas de metros de fitas led, última tecnologia de iluminação disponível no mercado que consome muito pouca energia.

O projeto da artista plástica Rosa dos Anjos já tem três anos e a cada ano ocorrem melhoramentos na estrutura e decoração da árvore. As milhares de garrafas usada na estrutura da árvore são consideradas de reutilização, uma vez que não ocorre nenhuma modificação estrutural na garrafa. A artista também explica que não é utilizado nenhum tipo de componente químico nas garrafas, como colas, tintas ou solventes, pois dessa forma, as garrafas ficam aptas para processos de reciclagem, que seria comprometido no caso de uso de produtos que agregam componentes químicos.

Um mundo de lixo plástico

Cinquenta mil garrafas pet reaproveitadas pode parecer muito pouco quando confrontadas as estatísticas da quantidade de lixo plástico incluindo garrafas que são retiradas diariamente pela Prefeitura de Manaus dos igarapés que cortam a cidade. No entanto, cumpre o papel de sensibilização para a conscientização ambiental da população, que reconhece a praticidade e estética plástica do reaproveitamento de materiais como a famosa garrafa pet. E, incita novas possibilidades para outros projetos de artistas, estudantes, pessoas comuns e cidadãs da cidade de Manaus utilizar e construírem um ambiente de economia criativa a partir de um conceito de sustentabilidade ambiental, tendo como base o uso de materiais reutilizáveis e recicláveis.

O componente social

E de onde vem toda essa garrafa pet que foi usada na árvore de natal da Max Teixeira? É aí que entra a figura do catador, e é um assunto sério. A política nacional de resíduos sólidos, conhecida como PNRS destaca a importância dos catadores para a gestão integrada dos resíduos sólidos e estabelece como princípio o “reconhecimento do resíduo sólido reutilizável e reciclável como um bem econômico e de valor social, gerador de trabalho e renda e promotor de cidadania” e a “responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos”.

A atividade de catador é reconhecida há quinze anos como atividade profissional pela CBO, a Classificação Brasileia de Ocupações. O catador contribui com os aterros sanitários uma vez que permite aumentar a vida útil desses e ajuda a diminuir a demanda por recursos naturais uma vez que a reinserção de resíduos em cadeias produtivas e pode substituir o uso de matérias-primas virgem. Sem contar que pelo interesse econômico, também alivia o custo do serviço que é gasto pelo poder púbico, isso quer dizer, é um parceiro da prefeitura da cidade. Em Manaus, existem quase trezentos catadores de resíduos recicláveis.

Espírito natalino

A árvore de natal da Max Teixeira tem importância geográfica significativa. Está localizada praticamente na entrada da cidade, de quem vêm das estradas BR-174, AM-010 e do aeroporto internacional. A versão 2017 da árvore é plasticamente acachapante, seus tons dourado e bordô e a iluminação estrelar decerto vai inspirar sentimentos de exultação à congregação familiar, ao espírito natalino, à paz e ao amor, e vai, com certeza, contribuir com a formação do amálgama humano da consciência ambiental e da sustentabilidade.

Carlos Palácio

Roberto Brasil