Mulheres vítimas de violência doméstica serão atendidas em ação de cidadania

By -

O comitê terá a competência de planejar, desenvolver e monitorar políticas de gênero oriundas da Secretaria Executiva de Políticas para Mulheres (SEPM)

A Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), por meio da Secretaria Executiva de Política para Mulheres (SEPM), vai realizar Ação de Cidadania com atendimento às mulheres vítimas de violência doméstica, na segunda etapa do Residencial Viver Melhor, nos dias 29 e 30 de junho, das 9h às 16h, no Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Professor Caio Carlos Frota de Medeiros, localizado na Alameda A, s/nº, bairro Lagoa Azul, zona norte de Manaus. A ação conta com a parceria da Secretaria de Segurança Pública (SSP), Superintendência Estadual de Habitação (Suhab) e Conselho Estadual do Idoso.

Um espaço psicossocial e de acolhimento será montado dentro da Unidade Móvel de enfrentamento à violência contra às mulheres do campo e da floresta. No local, serão realizadas orientações jurídicas sobre violência, divórcio, pensão alimentícia, guarda de filhos, reconhecimento voluntário de paternidade, entre outros assuntos do direito de família. Além disso, haverá programação com palestras, rodas de conversa e distribuição de cartilhas informativas sobre o tema.

“É uma oportunidade para aquelas mulheres que sofrem com a violência doméstica, mas que por vários motivos ainda não procuraram ajuda. Vamos oferecer apoio, orientar e conversar com elas”, informa a titular da Sejusc, Graça Prola.

Na ação, também, serão emitidos documentos básicos, como certidão de nascimento, carteiras de identidade e de trabalho, CPF e serviços de reprografia e fotografia. A pessoa idosa terá um espaço para atendimento, através do Conselho Estadual do Idoso. Vão ser realizados exames de glicemia e aferição de pressão arterial com orientação sobre prevenção e tratamentos.

“Serão dois dias de muitas atividades voltadas às mulheres que sofrem com a violência doméstica, porém, vamos estender os atendimentos às famílias, pois, vemos que essas ações promove integração entre os moradores”, explica Prola.

Áida Fernandes