Mulheres agricultoras de Manaus são premiadas pelo Consulado da Mulher

By -

Amar-Mulheres-AgricultorasA Associação das Mulheres Agriculturas Rurais (Amar), do projeto de assentamento Tarumã Mirim, localizado na zona rural de Manaus, foi uma das dez entidades brasileiras agraciadas pelo Prêmio Consulado da Mulher de Empreendedorismo Feminino 2016.

O resultado foi divulgado no último dia 29 de julho, no site oficial do Instituto Consulado da Mulher (consuladodamulher.org.br/). Duas iniciativas do Amazonas foram premiadas.

A premiação, que tem como objetivo auxiliar o avanço das mulheres nos negócios e, consequentemente, promover a construção de uma sociedade igualitária – avaliou 128 iniciativas de todo o Brasil, dos quais dez projetos foram escolhidos para o reconhecimento. Cada entidade receberá um aporte de R$ 10 mil, eletrodomésticos e ainda terá à disposição uma assessoria gratuita em negócios por dois anos.

Criada em 2013 – para dar vazão às frutas produzidas no assentamento que não tinham escoamento suficiente para os mercados consumidores –, a Amar reúne atualmente oito mulheres empreendedoras. Com uma produção mensal de aproximadamente 300 itens, elas fabricam geleias, doces orgânicos e condimentos de urucum e pimenta do reino.

No entanto, o trabalho não é fácil. “Sem infraestrutura adequada na comunidade, que não possui sequer um poço artesiano para abastecer as casas, as agricultoras se viram para dar conta dessa produção”, destaca Cleociana Silva, fundadora da associação de mulheres.

“Nem cozinha temos, usamos o fogão de uma colega, a geladeira de outra e assim vamos driblando as dificuldades”, explica Cleociana.

Com o prêmio, elas planejam construir uma cozinha industrial e adquirir equipamentos para melhorar a qualidade dos produtos, além de envolver novas agricultoras, gerando mais empregos.

Para a gestora ambiental do Idesam, Marina Reia, que apoiou a inscrição da Amar no edital, o reconhecimento foi mais do que merecido. “O prêmio é uma forma importante de reconhecer as batalhas diárias dessas mulheres. Elas se sentiram mais motivadas, com orgulho de seu trabalho. Terão agora mais recursos para melhorar sua produção”, explica.

Com o apoio do Consulado, o grupo pretende ainda aumentar a produção de doces e diversificar o rol de produtos, incluindo pães e bolos.

Roberto Brasil