Mudança do aeroclube é cobrada novamente por Luiz Castro

By -

O monomotor Embraer EMB-720, de prefixo PT-VKR, caiu hoje (22) em um terreno próximo da Avenida Torquato Tapajós, na Zona Centro-Oeste da capital. O local é próximo do Aeroclube de Manaus e reacendeu a discussão sobre a segurança dos moradores e trabalhadores do entorno. O deputado estadual Luiz Castro (Rede) cobrou novamente do Ministério Público Federal (MPF) um posicionamento sobre a mudança do aeródromo.

O parlamentar lembrou, da tribuna da Assembleia Legislativa (Aleam), que em 2017 foi realizada uma reunião com o MPF, os locatários do aeródromo e representantes dos moradores dos bairros vizinhos. O resultado foi um consenso geral para a transferência do local.

“Naquele momento, discutiu-se a possibilidade de um terreno em Iranduba, porém aconteceu a transição entre governadores do Estado. Os empresários não foram resistentes quanto a alteração do Aeroclube, desde que respeitadas algumas questões, como acessibilidade para os usuários e proximidade com Manaus. Esses dois itens são importantes especialmente para quem vem do interior, à procura de tratamento médico”, assinalou Luiz Castro.

Para os moradores e trabalhadores do entorno do aeródromo, o local pode ser utilizado para desafogar o déficit habitacional de Manaus, criar uma área de lazer ou mesmo uma creche. O parlamentar sugeriu também que a Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-AM) pode mudar-se para o bairro de Flores. A atual sede da pasta não é do governo do Estado.

Um dos locais sugeridos para um novo aeródromo é um terreno em Iranduba, nas proximidades da ‘cidade universitária’ da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Segundo Luiz Castro, o local precisa de investimentos da gestão estadual.

“O entendimento entre as partes – governo federal e do Estado e os proprietários de aeronaves – é perfeitamente possível e que o novo local não vai necessitar de um investimento enorme: a construção de uma boa pista, de infraestrutura de acesso e fornecimento de energia elétrica e água para o futuro aeródromo”, afirmou o parlamentar.

O deputado irá solicitar ao MPF mais celeridade na questão, porque a mudança acontecerá em médio prazo: todo o processo deve ser iniciado o mais rápido possível para que a população faça da área algo mais útil para a comunidade. Ao mesmo tempo, Luiz Castro relembra que as áreas disponíveis em Iranduba podem ser perdidas, por conta da demora burocrática.

Roberto Brasil