MP-AM não se convence com respostas dos bumbás sobre contrato da Amazon Best

By -

O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), Comarca de Parintins, não se convenceu com os documentos e as respostas dos presidentes dos bumbás Garantido e Caprichosos sobre os motivos da contração da empresa de marketing Amazon Best para gerir a venda de ingressos e logística operacional do Festival Folclórico de Parintins até 2021.

Há cerca de três semanas, o MP-AM solicitou as informações relacionadas aos critérios de escolha da Amazon Best, empresa do publicitário Valdo Garcia, irmão do prefeito de Parintins Frank Bi Garcia. No entanto, no entendimento da promotora pública, Carolina Maia, titular da 3ª Promotoria Pública de Parintins, “os dados esclarecidos ao Ministério Público são aquém ao que foi solicitado”, disse a promotora em entrevista ao Repórter Parintins, na manhã de quarta-feira, 8 de março.

De acordo com a agente ministerial, o MP tomou conhecimento da contratação da Amazon Best pela imprensa, porque não houve nenhuma denúncia formal. “Diante do que vinha sendo anunciado na imprensa, nós resolvemos notificar, por meio de ofício para os dirigentes dos dois bois. Essa comunicação foi respondida. Só que a gente entendeu que foi incompleta e a gente fez uma nova comunicação para pedir informações complementares. Acredito que ontem (dia 7 de março) foi protocolada essa resposta”, disse.

A promotora Carolina Maia assegurou que vai analisar os elementos documentais enviados pelos dirigentes dos bois de Parintins. “Eu ainda não tive tempo de analisar para saber, se dessa vez, veio com documentação, com informações realmente que atendam o anseio que a gente precisa. Ou seja: as nossas perguntas, todos os questionamentos de que maneira foi feita essa contração, porque foi escolhida essa empresa em detrimento de outra, se teve algum critério, como foi que chegaram até ela (Amazon Best). Esses são os questionamentos principais e o Ministério Público precisa de documento. Os bois têm que responder, mas têm que apresentar documentação sobre isso. Então, é isso que ainda vou analisar para decidir os próximos passos”, pontuou.//Repórter Parintins

Mario Dantas