Motorista da Tuiuti que fugiu se apresenta na delegacia

By -

Francisco na 6ª DP (Cidade Nova), onde foi ouvido sobre o acidente no Sambódromo, na noite de domingo (Foto: Nicolás Satriano/G1)

O motorista de caminhão Francisco de Assis Lopes, de 53 anos, prestou depoimento na 6ª DP (Cidade Nova) nesta segunda-feira (27) sobre o acidente com um carro alegórico da escola de samba Paraíso do Tuiuti, na noite de domingo (26). Aos jornalistas, ele disse apenas que pedia perdão às vítimas do acidente, que deixou 20 feridos no primeiro dia de desfiles do Grupo Especial.

“Quem foi machucado me perdoe mesmo. Me perdoe. eu não tive culpa, só quero pedir desculpas às famílias. Eu não tenho mais nada a declarar”, afirmou o motorista.

Os filhos de Francisco, Liverton dos Santos Lopes Jr. e Lidiane Isis dos Santos Lopes, afirmaram à imprensa que o pai não sabia que o carro alegórico dirigido por ele seria acoplado a outro veículo. Francisco acabou perdendo o controle do carro e colidiu contra uma grade da pista da Marquês de Sapucaí.

Segundo os filhos, Francisco é motorista profissional de caminhão há 30 anos e estaria apto para desempenhar a função no carro alegórico, embora esta tenha sido a primeira vez em que ele guiou uma alegoria carnavalesca. Além do problema do carro acoplado, eles também afirmaram que a Paraíso do Tuiuti era responsável por disponibilizar alguém que guiasse a manobra, o que não aconteceu.

Liverton e Lidiane também dizem que o problema técnico com a “roda maluca” – uma peça sob o chassi da alegoria – contribuiu para o acidente e que o pai foi agredido logo após o acidente, o que foi negado por diretores da escola. De acordo com a filha de Francisco, depois de avançar sobre as grades, uma pessoa com um microfone subiu no carro alegórico e mandou o motorista dar ré.

“Subiu uma pessoa no carro pedindo para ele dar ré com um microfone. Aí, ele deu ré porque mandaram, não foi porque ele perdeu a direção porque ele quis. Não. Ele deu ré porque foi orientado a dar ré”, disse.

Das vítimas que seguem hospitalizadas, Maria de Lurdes Maura Ferreira, de 58 anos, internada no Hospital Souza Aguiar, no Centro do Rio, tem quadro considerado grave; também internada na unidade, Elisabeth Ferreira Jofre, de 55 anos, tem estado de saúde considerado estável. Já Lúcia Regina de Mello Freitas, de 56 anos está no CTI do Hospital Miguel Couto, no Leblon, na Zona Sul, e seu quadro inspira cuidados.

Carro já foi periciado

Na manhã desta segunda, policiais civis realizaram uma nova perícia no carro alegórico, mas não deram informações sobre o trabalho. Na madrugada, logo após o acidente, o delegado William Lourenço afirmou que a perícia preliminar feita no carro alegórico da Tuiuti envolvido no acidente não apontou problemas mecânicos.

Do G1

Roberto Brasil