Momento do ‘sim’ reúne 135 casais em grande festa no Parque Municipal do Idoso

By -

O casamento dos sonhos, selando o amor e a promessa de futuro de jovens casais ou renovando os votos daqueles que já compartilham suas vidas há muito tempo mas que não perderam o sonho de realizar uma cerimônia oficial. O casamento coletivo realizado pela Prefeitura de Manaus na noite de sexta-feira, 22/12, no Parque Municipal do Idoso, zona Centro-Sul de Manaus, reuniu 135 casais e seus convidados para um evento com tudo o que os noivos têm direito. O ‘sim’ coletivo foi repleto de emoção, histórias tocantes e ruptura de preconceitos. Um momento para celebrar o amor.

Como o amor de Bianor e Vicenzia, que estão juntos há 29 anos e já criaram seus filhos, mas não perderam a oportunidade de ir ao altar, oficializando um laço de amor que já existe e está amparado na legislação da união estável, mas que ganhou o seu momento inesquecível de confirmação. “Não estava planejado, foi uma surpresa, mas a gente aproveitou e agora é só comemorar”, disse Bianor, ao lado da ansiosa noiva.

O momento contagiou a família, tanto que o filho do casal, Railan Duarte Vieira, também deu o seu ‘sim’ à Larissa Coelho, com quem vive há 7 anos e tem uma filha. “Foi pra mim um presente de Deus”, comemorava Railan, que confessou que não esperava um dia ter um casamento com toda a pompa e circunstância. “Apareceu esse casamento coletivo e nós resolvemos aproveitar a oportunidade e com a graça de Deus estamos aqui”, comemorou.

O casamento reuniu também quatro casais homoafetivos para celebrar o grande momento de suas vidas, como Rosimary e Carla, juntas há quatro anos e que conquistaram a certidão de casamento. “O sonho dela é ter meu sobrenome e isso está sendo realizado hoje. E estou aqui, com minha família, meus filhos e meus netos. É um sonho”, ressaltou Rosimary. 

A primeira-dama Elisabeth Valeiko Ribeiro foi escolhida como madrinha do casamento e revelou estar muito feliz por celebrar esse momento junto com os casais. “Me engrandece ver um evento como esse porque eu creio que o amor é independente da idade, do sexo, da cor. O amor existe e tem que ser celebrado”, destacou.

A cerimônia foi realizada no auditório do Parque Municipal do Idoso pelo juiz Luís Cláudio Chaves que convidou os casais a refletirem sobre os seus principais compromissos assumidos naquela hora: coabitação, mútua proteção e fidelidade. O juiz também exibiu um emocionante vídeo sobre violência doméstica, convidando também à reflexão sobre o tema. “Se um dia o amor acabar, que nunca acabe o respeito”, disse.

Em um pronunciamento emocionado, o prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto fez uma defesa intransigente ao direito ao amor e à busca da felicidade. “Ninguém tem o direito de impedir isso a nenhuma pessoa, seja ela rica, pobre, jovem, idosa, de qualquer raça, de qualquer sexo”, afirmou, buscando o exemplo dos quatro casais homoafetivos que selaram sua união no casamento coletivo. “Não somos juízes de ninguém e nunca deixem que qualquer outra pessoa lhes negue o direito à felicidade”, afirmou aos casais. 

O prefeito também disse que esses momentos se repetirão, no próximo ano, como política pública para a cidadania, com o primeiro deles sendo realizada no mês de março. E agradeceu ao vereador Amauri Colares, que por meio de uma emenda parlamentar garantiu os recursos necessários à celebração e à cerimônia.

Depois da cerimônia, os noivos e seus familiares tiveram direito à uma recepção grandiosa, com um buffet montado especialmente para eles, banda de música, nichos para fotografias, vídeos e fotos de todos os momentos da festa. “É um lindo momento e nós tínhamos que proporcionar isso a eles”, afirmou o secretário da Semmasdh, Elias Emanuel.

Os casais foram identificados pelos equipamentos socioassistenciais da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos (Semmasdh) – Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e Cozinhas Comunitárias. Um dos critérios de seleção foi ter o Número de Identificação Social (NIS).

O Casamento Coletivo Civil conta com a parceria do Fundo Manaus Solidária (FMS), Associação dos Registradores Civis das Pessoas Naturais do Amazonas (Arpem-AM), Ordem dos Advogados do Brasil Secção Amazonas (OAB-AM), Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) e Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM). 

Roberto Brasil