MELO DEFINE A EDUCAÇÃO COMO ÂNCORA DO SEU GOVERNO

By -

ademir-ramos_500x333Eleito com uma expressão de voto significativa, o professor José Melo (PROS), em articulação com outras forças políticas afins, definiu governar o Amazonas, nos próximos quatro anos, centrado na educação como prática de governo capaz de agregar os meios necessários para acelerar o desenvolvimento de forma integrada e participativa, abrangendo valores e processo de formação, em atenção ao desenvolvimento cognitivo, trabalho, produção e valorização da pessoa enquanto afirmação de Direito, qualidade de vida e sustentabilidade.

Nesta conjuntura é necessário repensar as estruturas de planejamento do Estado e reordenar suas ações numa perspectiva educacional. Nestes termos, a educação deixa de ser apenas escolar para se transformar em concepção finalística articulando os saberes, conhecimento, ciência, inovação, trabalho e práticas sociais.

O desafio maior é romper com o vício do retrabalho, estabelecendo o monitoramento das ações quanto à definição de metas tanto qualitativas como quantitativas, acabando com ações fragmentadas, criando um campo de força unitária capaz de agregar programas, projetos e ações a serem implementadas por agentes qualificados inseridos numa cultura orgânica de planejamento centrada na responsabilidade, competência intelectual e habilidade técnica para operar não só o processo em si como um todo, mas, principalmente, promover mudanças no comportamento de forma positiva com ressonância na família, nos centros de formação, nos empreendimentos particulares na própria formação para o trabalho, renda, gerando emprego nos segmentos de serviços, produtos e na própria economia criativa.

 

edu

Para este fim, as políticas governamentais devem compartilhar com os atores partícipes deste processo, criando os meios necessários para operar as ações, considerando a sua contextualização, a potencialidade do local, a competência e habilidade dos atores, competitividade e mercado. Todo este cenário deve fazer parte das definições de uma política de governo centrada na Educação como matriz de desenvolvimento humano propulsora de projetos educacionais escolares como política de Estado ancorado nas práticas pedagógicas numa perspectiva humanística catalisando valores, capital intelectual relativo ao mundo do trabalho, o domínio e apropriação de ciência, inovação e tecnologia.

Mario Dantas