Marina Silva critica forma de fazer política no Brasil

By -
Marina Silva

Marina Silva

A ex-candidata à presidência, Marina Silva (Rede), criticou na sexta-feira, 20, durante evento em Nova York, a forma como a política é feita no País e disse que é preciso acabar com o que chamou de “dualidade opositiva”, fazendo referência tanto aos partidos de oposição quanto aos de situação no Brasil.


“Há uma insatisfação muito grande com a quantidade e qualidade da participação e representação política. Não se faz aquilo que é necessário, mas o que é conveniente. Estamos sacrificando os recursos de milhares de anos pelo lucro de algumas décadas”, disse Marina, diante de uma plateia formada majoritariamente por acadêmicosbrasileiros e estrangeiros na Universidade Columbia. “Não há como uma mudança dessa magnitude ser feita por apenas uma pessoa, um partido, um setor. É uma luta de todos ao mesmo tempo agora.”

Primeira palestrante do dia no Lemann Dialogues 2015, evento promovido em parceria entre a Fundação Lemann e Columbia Global Centers Rio de Janeiro que este ano discute inovações em políticas públicas brasileiras, Marina Silva falou sobre sustentabilidade, crise, ajuste fiscal e reforma política no Brasil.


“É o atraso na política que está produzindo os problemas que temos no Brasil. O que está acontecendo é responsabilidade de todos nós”, disse Marina, que também comentou as denúncias contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “É no Conselho de Ética que ele terá a oportunidade de refutar as provas contundentes que ali estão apresentadas contra ele”, avaliou.

A ex-candidata à presidência também aproveitou sua fala para abordar a criação de seu novo partido, a Rede Sustentabilidade. “A Rede não tem a pretensão de ser a resposta. Espero que possamos ser o partido da transição para novos processos”, disse.

Após a sua palestra, Marina disse que apenas o ajuste fiscal não resolverá o problema do País. “Tenho insistido na ideia de um ‘ajuste Brasil’ para que os cortes não prejudiquem as pessoas e que mude a ideia de governabilidade baseada na distribuição de cargos do Estado”, disse. “Não faz sentido fazer sacrifícios para emprestar dinheiro a juros baixos a meia dúzia de escolhidos do governo.”

Mariana – A ex-candidata também comentou o desabamento das barragens da Samarco, em Mariana. “Não foi um acidente natural, mas um crime ambiental. Havia avaliações técnicas que já haviam notificado a empresa, que poderia ter tomado medidas, como barreiras de contenção, criando um sistema de alerta eficiente, treinando a população local, por exemplo”, disse Marina.

Marina Silva iniciou sua carreira política em 1984 na CUT e já foi vereadora, deputada, senadora e ministra do Meio Ambiente em 2003, durante o governo Lula. Em 2014, concorreu à presidência da Brasil em aliança com o PSB, ficando em terceiro lugar na disputa. ESTADÃO

Roberto Brasil