Marcos Rotta requer cópia dos depoimentos de Bumlai à Polícia Federal

By -
Empresário utilizou o direito de ficar calado para não gerar provas contra si mesmo durante oitiva na CPI do BNDES

Empresário utilizou o direito de ficar calado para não gerar provas contra si mesmo durante oitiva na CPI do BNDES

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga irregularidades em contratos e financiamentos do BNDES, MarcosRotta (PMDB-AM), declarou, nesta terça-feira (1º), que vai solicitar uma cópia do depoimento do empresário e pecuarista José Carlos Bumlai à Polícia Federal.

Em audiência com duração de cerca de três horas, Bumlai ouviu perguntas dos deputados que integram a CPI, mas se manteve em silêncio. O empresário deveria ter comparecido à comissão na terça-feira anterior, mas foi detido em operação da Polícia Federal relacionada à Lava-Jato em um hotel em Brasília (DF) e enviado para Curitiba (PR). A oitiva foi adiada para esta terça-feira.

Com a prisão, Bumlai saiu da condição de testemunha para investigado e passou a ter o direito de permanecer calado para não gerar provas contra si mesmo. Ele contou ainda com o respaldo de um habeas corpus concedido pelo ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF).

O presidente da comissão ressaltou a garantia dos direitos de Bumlai e o debate “em alto nível” mantido pelos integrantes da CPI. No entanto, declarou que as respostas do empresário poderiam ter colaborado para esclarecer os fatos investigados pela CPI.

“Acho que vossa senhoria (Bumlai) perdeu uma oportunidade ímpar não só de contribuir para os trabalhos desta CPI, mas de prestar esclarecimentos à sociedade brasileira, que neste momento nos assiste e nos ouve”, avaliou, ao final da audiência, o deputado Marcos Rotta.

Bumlai foi convocado pela CPI do BNDES por suspeitas de tráfico de influência e suposto favorecimento em contratos com o Banco, sobretudo durante a gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de quem é amigo pessoal.

Na próxima quinta-feira (3), a comissão receberá Pedro Barusco Filho, ex-gerente de serviços da Petrobras e ex-diretor de operações da Sete Brasil, empresa criada em 2011 para gerenciar contratos da Petrobras para a contratação de sondas marítimas.

Roberto Brasil