Manifestação em frente à CMM cobra legalidade para o Uber

By -

Da Redação – Nesta terça feira (19) motoristas de táxis e mototáxis estiveram em frente à Câmara Municipal de Manaus realizando uma manifestação contra o aplicativos e o funcionamento ilegal dos Uber na capital amazonense. Cobram do prefeito de Manaus resolver esta situação em igualdade de condições (pagamento de taxas e outros) para todos os que trabalham no transporte público. 

“Motoristas de taxi e de mototaxistas são contra esse aplicativo Uber. Nossas corridas diminuíram 70%. Somos mais de quatro mil taxistas cadastrados em Manaus e em geral somos mais de sete mil. Do jeito que está vamos entregar nossas concessões e cobrar R$ 2,00 à passagem à população se não for resolvido nada a nosso favor. É muito descaso. Nós estamos legalizado e somos perseguido pela SMTU. A gente quer legalidade para todos, pois pagamos taxas muito altas enquanto eles ganham bem e não pagam nenhuma taxa” , afirmou Zé Walmir, representante dos taxistas.

Na oportunidade o presidente da CMM, Wilker Barreto (PHS), disse ser preciso ter controle, pois hoje em São Paulo tem mais Uber que táxi. “Não só Manaus, mas em muitas capitais deixaram de operar com o Uber sem regras claras. Estamos debatendo há muito tempo este tema na CMM. Uma coisa é certa: os aplicativos vieram para ficar”, destacou.

“Do jeito que esta eu sou contra, não pode ser. O prefeito deve regulamentar o Uber, pois eles não pagam imposto. O motorista de táxi paga aluguel do carro, impostos, liberação à SMTU, enquanto que o motorista do Uber ganha mais. É uma concorrência desleal”, afirmou o vereador Jaildo dos Rodoviários (PCdoB).

Contra a clandestinidade no transporte

O vereador Elissandro Bessa (PHS) apoiou o ato pacífico dos taxistas e disse que a manifestação faz parte de um movimento nacional, denominado o “Dia D”, contra a clandestinidade no transporte de passageiros nas cidades. “A maior reivindicação no ato é contra o aplicativo clandestino que esta usando o carro particular para fazer corridas prejudicando todo o transporte público da cidade. Esse ato é justamente para mostrar a sociedade e dizer a esta o quanto a categoria esta sofrendo, o quanto a categoria está sangrando. É um ato de repúdio por tudo que a categoria vem passando nos últimos cinco meses”. 

O parlamentar ainda informou que o prefeito Artur Neto é sensível ao problema e autorizou a Superintendência Municipal de Transportes Públicos (SMTU) a realizar, juntamente com o Sindicato dos Taxistas (SinTax), as adequações  necessárias para atual realidade da categoria, na Lei 2.088/2015, conhecida popularmente com a “Lei do Táxi”.

Mercedes Guzmán

Roberto Brasil