Luiz Castro insiste na reposição salarial dos servidores estaduais

By -

Dep. Luiz Castro

O respeito à data base dos servidores estaduais, foi cobrado mais uma vez pelo deputado Luiz Castro (Rede), tendo em vista o atraso, desde 2015, do pagamento do reajuste dos servidores da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), que receberão este mês aumento de apenas 4,69%, correspondente ao exercício de 2017.
Luiz Castro solicitou da mesa diretora, os dados técnicos sobre a capacidade financeira da Casa, a fim de que seja esclarecida a disponibilidade de recursos, para que se efetive a recomposição salarial dos servidores efetivos e aposentados do Legislativo. Em resposta, o presidente Davi Almeida, afirmou que os salários serão corrigidos em 2018.

O atraso na reposição salarial de outras categorias de servidores estaduais, também foi apontado por Luiz Castro, citando os trabalhadores da Saúde, do Serviço Social, da Cultura e da Educação, que não tiveram a data base respeitada pelo Governo do Estado, e acumulam prejuízo em relação à inflação dos últimos anos.

O líder da Rede solicitou também a intermediação do líder do Governo na Casa, deputado Dermilson Chagas, no sentido de encampar a luta dos servidores pela recomposição de seus salários.

Castro lembrou que os governos anteriores gastaram muito mal, principalmente na área de Saúde, onde se investiga o desvio de recursos de mais de R$ 120 milhões na operação “Maus Caminhos”, enquanto os servidores ficaram sem reajuste salarial.
“O atual governo tem o dever de corrigir essas falhas e garantir os direitos constitucionais dos servidores estaduais”, afirmou Luiz Castro.

Reajuste para TCE

Com o voto unânime dos deputados, a Assembleia Legislativa aprovou o Projeto de Lei de nº 156/2017, que concede o aumento de 9,82 % aos servidores do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

O deputado Luiz Castro ressaltou que o reajuste salarial é legal, mas defendeu que o mesmo direito seja estendido a todos os servidores estaduais. “Porque aumento para alguns e para outros não? Essa injustiça, que prejudica inclusive servidores aposentados, tem que ser corrigida”, retrucou o deputado.

Roberto Brasil