Livro ‘O Brasil na Fita’ fala da armação de Amazonino para incriminar Mário Frota

By -

BRASIL-NA-FITA_MARIO-FROTAO autor dedica cinco páginas do seu livro (de 182 a 186), para esclarecer a fraude montado pelo deputado federal Pauderney Avelino e o então secretário de obras, João Coelho Braga, que, segundo Marinho, estavam à serviço de Amazonino Mendes, desafeto de Mário Frota.O livro ‘O Brasil na fita’, lançado em maio pela Editora Record, de autoria do professor da Unicamp, Ricardo Molina, um dos peritos mais respeitado do país, conta, em detalhes, cerca de 70 casos em que ele trabalhou durante o conturbado cenário político brasileiro, desde o governo de Fernando Collor de Melo até a era Dilma Rousseff, que alimentou a imprensa nacional e internacional com reportagens picantes, recheadas de escândalos de corrupção.

Dentre seus trabalhos mais importantes, Molina destaca em ‘Brasil na fita’ a manobra montada por inimigos políticos do agora vereador Mário Frota, ocorrida em junho de 2001, na tentativa de envolvê-lo em escândalo de corrupção, onde ele aparece, supostamente, tentando subornar um empresário de Manaus. Chamado, pela segunda vez, para comprovar a autenticidade das provas, Molina descobre que o autor da gravação da conversa foi o ex-assessor de Mário, Nivaldo Marinho, que recebeu R$ 12 mil para montar a farsa imitando a voz do parlamentar. Com medo de ser executado como queima de arquivo, Marinho se apresentou à Polícia Federal, contou como tudo aconteceu e entregou seus comparsas.

O autor dedica cinco páginas do seu livro (de 182 a 186), para esclarecer a fraude montado pelo deputado federal Pauderney Avelino e o então secretário de obras, João Coelho Braga, que, segundo Marinho, estavam à serviço de Amazonino Mendes, desafeto de Mário Frota.

Na época o então deputado estadual Mário Frota, numa suposta conversa telefônica com o empresário David Benayon, foi acusado de intermediar propina no valor de 5 milhões de dólares para o senador Jader Barbalho, que era o presidente licenciado do Senado. Esse dinheiro serviria para liberação de um financiamento de 40 milhões de dólares para Benayon implantar uma indústria de artefatos de borracha.

A denúncia foi divulgada como “furo de reportagem” pela revista Isto É, edição de 25 de julho de 2001, e trazia no título da matéria: “Jader quer 5 milhões de dólares”, onde Mário Frota aparecia como o intermediador da propina. Porém a editora não teve a preocupação de mandar fazer uma perícia para autenticar se a voz era de Mário Frota. Ricardo Molina foi consultado pela revista apenas para periciar se a fita continha montagens, se era verdadeira. “O meu trabalho concluía não haver manipulação, montagem ou edição na fita. Esse laudo restringia-se à autenticidade material. Nada dizia a respeito da identidade da voz atribuída a Mário”, lembra Molina.

Depois de desmontada a armação, a revista Isto É, de 22 de agosto, estampava manchete em sua capa: “Armação amazônica”, onde a reportagem esclarecia a verdade dos fatos, inocentando Mário. Porém o efeito devastador dos estragos causados à reputação de Mário Frota – conhecido pela sua luta incessante contra a corrupção e ferrenho opositor da ditadura militar – foram superior à retratação diante das provas da sua inocência.

Depois de tudo esclarecido, Mário Frota processou seus difamadores. João Coelho Braga, o Braguinha foi indiciado pela Polícia Federal e a revista Isto É foi condenada a pagar R$ 1 milhão por danos morais, mas até hoje o parlamentar não viu nenhum centavo desse dinheiro. (Por: Roberto Pacheco – MTb 426).

A seguir a veja alguns trechos da reprodução do livro de Molina, onde ele fala do ‘caso Mário Frota’.

“A farsa com o Frota: um assessor bom de circo”
(Por: Ricardo Molina*)
A manchete da revista Isto É de julho de 2001 era categórica: “Jader quer 5 milhões de dólares”. A denúncia baseava-se em uma gravação na qual, supostamente, o deputado estadual pelo Amazonas Mário Frota (na época PSDB, mas que circulou por vários partidos), em conversa com seu amigo, o empresário David Benayon, revelava um esquema que favorecia Jader Barbalho, então presidente licenciado do Senado.

Mário Frota: Alô, David? Tudo bem, irmão? É Mário… Eu estive lá em Brasília e conversei pessoalmente com o Jader, mas não mudou muito em relação àquele acerto que havíamos feito anteriormente, ele não abriu mão em nada, as comissões são aquelas mesmas, ele que 5 milhões de dólares para resolver o teu problema… A garantia que ele deu é que o dinheiro sai de qualquer jeito, dependendo mais de você do que dele. Mas o Tourinho só faz o que ele quer; Jader mandando, tá resolvido.

O Tourinho citado na gravação é José Artur Tourinho, então no comando da Superintendência para o Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) e apadrinhado de Jader Barbalho. Já no dia seguinte, Frota entrou com uma representação no Ministério Público Federal para apurar a responsabilidade criminal da gravação veiculada pela revista. Afirmava não ser dele a voz da pessoa intermediando o pagamento da propina.
……….

O deputado Frota afirmava que a gravação era uma fraude, “imitação barata e grotesca”, forjada pelo seu ex-assessor parlamentar Nivaldo Marinho. Acusava também o governador Amazonino Mendes, inimigo figadal, de ser o artífice da armação. Segundo o deputado, Marinho tinha o hábito de imitá-lo…
……….

A reportagem publicada pela Isto É informava que um laudo meu concluía “não haver manipulação, montagem ou edição na fita”. Esse laudo restringia-se à autenticidade material da fita. Nada dizia a respeito da identidade da voz atribuída a Mário Frota… Nesse primeiro momento, não me foi solicitado o exame de identidade de voz e eu nem dispunha de amostras de referência.
……….

Como a denúncia apontava para Jader Barbalho, o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado criou uma comissão especial para apurar o caso. O senador Romeu Tuma me telefonou perguntando se eu aceitaria realizar um laudo complementar de identificação de voz. Na época os laudos não eram mais emitidos pela Unicamp, e sim pelo meu próprio laboratório particular…
……….

Em 9 de agosto, fui a Manaus com meu assistente Donato Pasqual Júnior para colher amostras de voz do deputado Frota e do ex-assessor Nivaldo marinho, o suposto imitador. Mas não apenas isso. Como Marinho afirmara que escondera um minigravador atrás do aparelho de fax, e que a fala fora captada quando o deputado usava o celular a uma distância de pouco mais de 1 metro do aparelho, fizemos uma reconstituição da cena na casa do deputado, onde teria ocorrido a gravação.
O deputado garantia que na sala indicada pelo ex-assessor nunca houve um aparelho de fax… Já durante a reconstituição percebemos que Marinho mentia. Em primeiro lugar, nos contava uma história diferente daquela publicada pela Isto É.
……….

Voltando a Campinas, já no laboratório, confirmamos que Frota foi vítima de uma fraude. A voz com certeza não era dele e havia fortes indícios de que fosse de Nivaldo Marinho.
……….

Após a emissão do laudo, o ex-assessor se dizia arrependido, pois “estava com medo de virar cadáver”, e lamentou: “Maldita fita”. Em 10 de agosto, em Manaus, havia feito novas declarações à Polícia Federal: recebera 12 mil reais para imitar a voz, em uma ação tramada com o deputado federal Pauderney Avelino (PFL-AM) e o secretário de Obras do Amazonas, João Coelho Braga. Os dois, segundo Marinho, disseram que falavam em nome do governador do Amazonas, Amazonino Mendes, inimigo político do deputado Frota e aliado de Jader Barbalho.
A manchete da Isto É de 22 de agosto era bem diferente daquela de 25 de julho. Agora, tudo esclarecido, a capa da revista estampava: “Armação amazônica”.

· *Ricardo Molina de Figueiredo professor da Unicamp (Campinas) é um dos mais conhecidos peritos em fonética forense do Brasil, tendo atuado em alguns casos como Assistente Técnico em processos judiciais criminais e Perito em processos cíveis; seu trabalho consiste principalmente em analisar arquivos de áudio e vídeo em busca de edições falsas ou procurando identificar a voz do locutor, atuando também em outras áreas de perícia técnica. Chegou a estudar engenharia, mas graduou-se em composição e regência pela Unicamp, com mestrado em Linguística e doutorado em Ciências, na mesma instituição.

Para entender melhor:
Veja a reportagem da Isto É, da época:

http://istoe.com.br/39529_JADER+QUER+US+5+MILHOES+/

http://www.terra.com.br/istoe-temp/1681/brasil/1681_justa_punicao.htm

]Por Roberto Pacheco[

Roberto Brasil