Jovens são assaltados durante abraço simbólico na Santa Casa

By -

Os assaltos são frequentes na área próxima a Santa Casa Foto: Raquel Miranda/ Diário do Amazonas

O quarto abraço simbólico realizado pela Campanha S.O.S Santa Casa, coordenada pela artista plástica Rosa dos Anjos, nesta segunda-feira (1º), em frente ao prédio, localizado na Rua 10 de Julho, Centro, contou com um incidente no período da tarde. O evento, que reúne artistas locais e a sociedade em geral com o intuito de chamar a atenção para a construção histórica que segue abandonada há 12 anos, foi palco do assalto de dois jovens.

Ádria Santos, 21, e Savana Araújo, 19, tinham ido até o lugar acompanhar as intervenções artísticas, após tomarem conhecimento do evento por meio da televisão, quando foram surpreendidas, nas dependências do prédio, por um homem de estatura baixa e cabelos loiros, usando camisa clara, bermuda jeans, que acabou por encurralar ambos.

Segundo Savana, apesar de não estar armado, o homem coagiu ela a entregar o aparelho de celular. “Ele não estava armado e começou a me empurrar contra a parede, pedindo o telefone. Acabei entregando mesmo sabendo que ele não estava armando, pois não ia lutar contra um homem”, disse.

Visivelmente nervosos, os dois jovens saíram da parte interna do prédio e chegaram à calçada pedindo ajuda. A polícia foi chamada e compareceu ao local para acompanhar o paradeiro do assaltante.

Nara dos Santos da Silva, funcionária de um hotel nas proximidades da Santa Casa, afirmou que esse tipo de ação é muito comum no quarteirão onde está situado o prédio. “Sempre tem assalto nessa área seja de manhã, de tarde ou de noite. Os criminosos se escondem na construção que está completamente abandonada e atacam quem está passando, a qualquer hora do dia”, revelou.

Ela comentou também que, aos domingos, a tensão local é ainda maior. “Quando precisamos trabalhar no domingo é um sofrimento. Somos obrigadas a passar correndo nessa parte, pois é bastante deserto. Inclusive, uma moça que trabalha comigo já foi assaltada pelos ‘cheira-cola’, que acabam fazendo do prédio sua casa”, desabafou.

Ação

A artista plástica Rosa dos Anjos, presidente da Associação de Cultura do Estado do Amazonas, e coordenadora do projeto S.O.S Santa Casa, disse que a iniciativa busca devolver o espaço em forma de casa de cultura ou museu da medicina, pois foi realizada uma perícia e constatou-se que o prédio não possui mais possibilidade de voltar a funcionar como hospital.

“Desde de 5 de outubro de 2016, quando o professor Othoni Mesquita publicou nas redes sociais umas fotos do prédio e que chamaram a atenção de todos é que decidimos tomar essa iniciativa. As pessoas falam muito e não agem, mas nós resolvemos agir. No dia 17 de novembro fizemos uma limpeza na capela da Santa Casa. No dia 19 de novembro, outro mutirão de limpeza foi feito em parceria com as Forças Armadas, Corpo de Bombeiros e Polícia Militar. Foram retirados 20 caminhões de entulho sem gasto da verba pública”, salientou.

Ela ressaltou que o caso é sério, principalmente para as pessoas que precisam transitar pelo lugar seja por moradia, trabalho e, até mesmo, turistas. “A Santa Casa virou um centro de marginalidade. Por isso demos entrada junto Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM) para que algo fosse feito. Falta plano de ação, boa vontade e vontade pública”, finalizou. A intervenção artística terminou às 17h.

Recentemente, ainda no mês de março de 2017, a juíza federal Jaiza Fraxe, titular da 1ª Vara Federal no Amazonas, concedeu liminar obrigando o Governo do Amazonas colocar segurança e vigilância patrimonial no prédio e implementar o plano de ação que evitasse o desabamento e a ruína do prédio.

Além disso, uma audiência de conciliação entre o MPF, governo e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) estaria marcada para que todas as ações fossem colocadas em prática o mais rápido possível. Caso a elaboração do projeto, por parte do instituto, tivesse atraso ou a decisão fosse descumprida, seria aplicada um multa de R$ 5 mil dia, pela própria Justiça Federal.

(DO D24AM)

Roberto Brasil