IstoÉ diz em nota que Omar Aziz autorizou processo seletivo para contratação de empresa de Mouhamad

By -

O inquérito para investigar o senador Omar Aziz por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, segundo notas publicadas na edição da revista IstoÉ do último dia 1 deste mês já foi encaminhado para a corte máxima de justiça do Brasil.

Diz a revista que a operação da Polícia Federal no Amazonas sobre desvio de recursos da saúde foi enviada para o Supremo Tribunal Federal e agora sabe-se porque: apurar eventual responsabilidade do senador Omar Aziz (PSD-AM), que era governador à época dos fatos ].

O caso, continua a nota, foi batizado de Operação Maus Caminhos veio à tona ano passado.

Diz a revista ainda que, segundo investigações, foram obtidos indícios que o governador autorizou o processo seletivo que contratou uma entidade envolvida com os desvios. Também há grampo telefônico de um dos investigados, Mouhamad Moustafa, fazendo referência a reuniões com membros da cúpula do governo. Moustafa controlava empresas envolvidas com o desfio, concluir a nota.

 Para entender

A determinação de Dias Toffoli para abertura de inquérito aconteceu no início deste ano depois que a juiza Ana Paula Serizawa Silva Podedworny enviou para o STF o inquérito da operação Maus Caminhos que apontam indícios do crime de corrupção passiva suspostamente praticados pelo senador da República Omar Aziz.

Por envolver alvos com foro privilegiado, Dias Toffoli decidiu pelo desmembramento da Maus Caminhos para investigar Omar Aziz.

Na decisão, o ministro cita que no curso das investigações da operação Maus Caminhos foram “fortuitamente encontrados elementos de prova que apontam para a prática, em tese, do crime de corrupção passiva pelo senador da República Omar Aziz”.

Ainda, segundo o ministro, as análises preliminares realizadas em aparelhos telefônicos sugerem que Omar Aziz fazia uso de sua influência política para intervir perante o Estado do Amazonas na defesa dos interesses de Mouhamad Moustafa e do Instituto Novos Caminhos (INC) solicitando e recebendo, em razão disso, vantagens pecuniárias deste empresário”.

Maus caminhos

No dia 20 de setembro do ano passado, a Polícia Federal (PF), com apoio da Controladoria Geral da União (CGU) e da Receita Federal, deflagrou a operação Maus Caminhos para desarticular uma organização criminosa especializada no desvio de recursos públicos da Saúde do Amazonas.

A PF informou que a organização utilizava o INC para burlar licitações e fazer contratos diretos de empresas prestadoras de serviços de saúde. O montante desviado ilegalmente supera R$ 112 milhões.

Escutas telefônicas

Trechos de escutas telefônicas extraídos das estranhas da operação “Maus Caminhos”, montada pela Polícia Federal que desbaratou uma quadrilha que desviou R$ 115 milhões da saúde no estado, traz revelações bombásticas que podem fazer desabar a estrutura de poder político instalado no Amazonas.

Segundo o médico Mouhamed Moustafa, interceptado pela Polícia Federal, contratos de gaveta eram utilizados por ele para camuflar a propriedade de aeronaves compradas em sociedade com políticos e empresários locais.

Na conversa grampeada Mouhaned diz que, em uma das aeronaves, tem como seu sócio um “primo” que é político, mas não cita o nome do tal parente e afirma, ainda, que o outro sócio é o dono do SBT (Sílvio Santos?).

Em despacho assinado do dia 18 deste mês ao Supremo Tribunal Federal (STF), com base nas escutas telefônicas, a juíza Ana Paula Serizawa Silva Podedworny, da 4ª Vara Federal, declina da competência de parte da “Operação Maus Caminhos”, numa nítida revelação de que, no bojo do processo, pode existir a figura da prerrogativa do foro privilegiado.

Consta que a notícia do envio de parte do processo para a Brasília tem tirado o sono de muita gente em Manaus, agora, preocupadas em ocutar bens e já atrás de Habeas Corpus preventivo para evitar ser preso.

Confira o trecho a baixo e tire suas conclusões e veja que Mouhamad conversa com Santiago e fala de Manaus.

Confira parte da escuta

“MOUHAMAD: É… o LEARJET eu posso… aí que que eu vou fazer… eu ia sair dum avião… eu ia sair de 2 aviões na verdade… o CITATION II (CESSNA CITATION II), que é mais ou menos 1 (milhão) de dólar… entendeu? que é o que eu tenho UTI aérea hoje… e eu ia sair da sociedade lá daquele meu XLS… que é o… que é o… o lá de MANAUS, o TRJ, né… (refere-se ao avião de matrícula PRTRJ)

SANTIAGO: Anram…

MOUHAMAD: Aí eu saio dele… aquele lá ele é 60% meu. E o resto lá é do meu primo lá, do político, e mais um outro cara lá dono do SBT, entendeu? Aí que que eu ia fazer… eles vão assumir a parte, entendeu? Ia entrar um outro cara aí junto… me pagava os meus 60% dele… e é o mesmo cara que eu tô negociando o LEARJET lá nos ESTADOS UNIDOS, entendeu?//Fato Amazônico

Mario Dantas