Hissa Abrahão recebe carinho e apoio da população do bairro Compensa na Zona Oeste de Manaus

By -

comp1“Dou o maior valor para o trabalho deste rapaz. Cabra novo, vai fazer um bom mandato como Deputado Federal”, disse o cearense Aloísio Gomes, de 70 anos, morador do bairro Compensa, na Zona Oeste, há 35 anos. Ele se referiu ao vice-prefeito de Manaus e candidato a Deputado Federal, Hissa Abrahão (PPS), durante caminhada nesta quarta-feira, no bairro.Um quarteirão depois, o candidato encontrou outro Aluísio que também declarou apoio e elogiou os 12 meses de Abrahão a frente da secretaria de Obras da Prefeitura (SEMINF).

comp4

“Como ele já tem experiência como vereador, secretário de obras e vice-prefeito, vai ficar menos difícil pra ele propor projetos interessantes e que atendam aos interesses da sociedade. Até porque tá cheio de candidato no horário eleitoral prometendo o que, com certeza, sabemos que não vão cumprir”, disse Aluisio Junior, de 51 anos.

Na opinião da empresária Darcy Fernandes, Hissa é um jovem promissor na política e não vai desapontar os que nele confiam.

“Desde a campanha para prefeito acompanho seu trabalho. É ousado, tem carisma e é uma pessoa muito simples. Gosta dos pobres. Eu acredito que ele vai fazer a diferença, porque já mostrou isso no pouco tempo que teve oportunidade na prefeitura”, considerou.

comp3

Samara Guimarães, de 22 anos, questionou o candidato a respeito de suas propostas para saúde e educação.

“Minha preocupação é principalmente com a construção de novos SPA´s e geração de emprego para jovens que acabaram de concluir o ensino médio. Temos muita dificuldade para conseguir emprego e a saúde também está crítica”, comentou a estudante enquanto lia, junto ao candidato, suas 23 propostas que constam no informativo “Hissa 2323”.

comp2

“As 23 propostas no informativo são apenas o resumo de um universo de diretrizes geradas a partir de consultas junto a sociedade. E também não param por aí, uma vez que as necessidades surgem a cada dia e precisamos estar atentos as demandas que a população nos cobra”, justificou Abrahão.

Mario Dantas