Governo estuda tirar mais R$ 3 milhões do Festival de Parintins, Robério nega

By -

festival-parintinsDa Redação – Considerado a maior festa popular a céu aberto do Amazonas, o festival folclórico de Parintins edição 51º está ameaçado para o próximo ano. Segundo fontes do site nesta quarta-feira (2), em Manaus, o secretário de Cultura do Estado (SEC) Robério Braga comunicou aos presidentes de Caprichoso Joilto Azedo e Garantido Adelson Albuquerque a intenção do governo corta mais 50% do orçamento dos bumbás. A diminuição desse repasse traria o cancelamento de uma ou duas noites do evento. Atualmente o Azul (Caprichoso) e Vermelho (Garantido) duelam três dias no final do mês de junho.

No festival de 2015, foi cortado 1 milhão em recursos, e cada agremiação recebeu cerca de 2 milhões e 40 mil reais do governo estadual. “ O governo pediu mais cortes. Vamos priorizar investimentos em saúde e educação. Não tem como bancar festa”, teria dito Robério ao presidentes dos bumbás. Segundo a fonte, a reunião que durou cerca de 1 hora foi tensa. Pois Adelson e Joilto ficaram surpresos com a medida. Aos assessores e membros das diretorias, os presidentes se queixaram da maneira de como Robério Braga repassou a decisão. A imprensa não comentam o tema.

Joilto Azedo ao atender a reportagem disse que não iria comentar sobre o teor do encontro, mas confirmou a reunião. “Vamos ao Rio de Janeiro em busca de mais parceiros eu e o presidente do boi contrário. Agora não é momento de se manifestar. No meu retorno daremos alguns esclarecimentos, pois festival é sempre assim. Mas a festa precisa de ajuda de todos do governo federal, estadual, prefeitura, precisamos da união dos deputados estaduais e principalmente a população”, limitou-se a dizer o presidente do Azul e Branco.

Adelson Albuquerque do Vermelho e Branco seguiu a mesma linha. Lembrou que no festival de 2015 houve um corte de 20% no repasse. Para ele é preciso prudência e levar inúmeros fatores sociais e culturais do evento em conta. “Estamos em pleno planejamento junto aos patrocinadores e tentando receber de outros recursos ainda pendentes. Esse tema tratado na reunião,  vamos avaliar apenas na próxima semana”, disse Albuquerque.

Nomeado como uma espécie de representante dos bumbás junto ao governo, o deputado estadual Bi Garcia (PSDB) disse não acreditar que tal proposta avance. Na avaliação dele qualquer decisão desse porte, primeiro o governador José Melo vai sentar com os segmentos envolvidos. “O governador Melo sempre faz consulta e vai avaliar o melhor para o evento. Pois o Brasil e o Estado passam por esses apertos e já houve o corte nesse ano no festival. Se houve essa ideia, não foi diretamente do governado”, afirmou Garcia.

Proposta não foi posta durante reunião, diz Robério  

Ao atender a reportagem o secretário de Cultura do Estado Robério Braga negou haver feito qualquer  propostas de redução do valor do repasse para os bumbás e de exclusão de uma ou duas noites do evento. Braga admitiu haver feito proposta para discussão sobre o Festival de 2016, “Nós estamos discutindo. O que eu propus é que mantivéssemos outra conversa para planejar o festival. Vamos discutir tudo que for necessário discutir e temos o que dialogar. Foi à primeira reunião. Aliás, um encontro de meia hora”, comentou o Secretário de Cultura.   ( Hudson Lima)

Roberto Brasil