Governo do Amazonas promove debate para construção de Política Pública para a pesca esportiva

By -

“A Zona Franca de Manaus vai ter, um momento ou outro, que fazer um transplante de coração”, afirmou Marcelo Ramos

O secretário estadual do Meio Ambiente e presidente do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas, Marcelo Dutra, anunciou nesta quinta-feira (05/04), durante a abertura do 1º Workshop sobre Pesca Esportiva, no Centro de Convenções Vasco Vasques, que o Governo do Estado está promovendo o maior debate democrático para o processo de construção da Política Pública para desenvolver o segmento, que atrai cerca de 10 mil turistas e movimenta mais de R$ 50 milhões por ano.

O evento encerra nesta sexta-feira (06/04) e no primeiro dia reuniu mais de 350 atores da cadeira produtiva da pesca esportiva e lideranças dos setores da indústria, comércio, agricultura, serviços e operadores dos trades do turismo e da pesca esportiva. “Estamos invertendo os papeis, ou seja, em vez de aplicar de forma técnica as direções legais para o setor, estamos buscamos abrir um debate democrático com todos os segmentos da sociedade”, observou Dutra, que representou o governador Amazonino Mendes na abertura do encontro.

O encontro é inédito no Amazonas e está sendo realizado pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Empresa Estadual de Turismo (Amazonastur) e conta com apoio da Secretaria de Estado da Produção Rural e Sustentabilidade (Sepror) e da Secretaria Executiva de Pesca e Aquicultura (Sepa). Representantes do Instituto Brasileiro de Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Federação da Agricultura do Amazonas (Faea), Centro das Indústrias do Estado do Amazonas (Cieam) e de 28 municípios, com potencial para a pesca esportiva, também participam do workshop.

Marcelo Durtra informou que, quando assumiu o governo, em outubro de 2017, o governador Amazonino Mendes determinou à Sema e ao Ipaam a elaboração de propostas para o desenvolvimento do turismo de pesca esportiva. “É muito comum nos governos estaduais discutirem politicas públicas dentro dos gabinetes. O governador nos orientou a sairmos dos gabinetes e discutir o tema com todos os segmentos para que tenhamos um trabalho mais consolidado, com a visão de uma nova matriz de negócio no Estado”, disse.

Desenvolvimento ─ Na avaliação de Marcelo Dutra, o Amazonas é o maior provedor de serviços ambientais do planeta e turismo da pesca esportiva tem que se encarado como um modelo de desenvolvimento econômico com bases sustentáveis. “A Zona Franca de Manaus vai ter, um momento ou outro, que fazer um transplante de coração. E vamos ter que tirar dependência da entrada de componentes e partir para uma indústria de base regionalizada de biodiversidade e nessa diversidade biológica inigualável, invejável que tem o Amazonas”, enfatizou.

No encontro, Dutra disse que receber do superintendente regional do Ibama, José Leland, a informação que o Amazonas triplicou o faturamento em 2017 na atividade de pesca ornamental no município de Barcelos (distante 399 km de Manaus), uma demonstração, que, segundo ele, incentiva o incremento da pesca esportiva. “Trata-se de um trabalho feito bases sustentáveis, ordenadas pelo governo federal e agora com a ajuda do governo do Estado, e que garante e atividade retornar aos patamares de liderança internacional no segmento”, disse.

Segmento forte – Atualmente, o segmento atrai cerca de 10 mil turistas e profissionais por temporada e movimenta mais de R$ 50 milhões por ano no estado, segundo o diretor de Marketing da Amazonastour, Nicolas Cabral. Por isso, ele explica que o evento é importante para o estado, pois a pesca esportiva é forte no Amazonas, podendo até trazer turistas de fora do país.

“O governador Amazonino Mendes está dando uma ênfase especial para o turismo, e a pesca esportiva é uma das vertentes do nosso turismo aqui no estado. Então, resolvemos, junto com a Sema, Ipaam e a Sepror, fazer esse evento para juntarmos todos os envolvidos nessa cadeia produtiva da pesca esportiva, ou seja, tanto a fiscalização quanto os operadores e quem vende lá na ponta, tendo alguns operadores internacionais também, que estão participando do evento, para que a gente possa chegar a um denominador comum, melhorando tanto para o turista quanto para as pessoas aqui do estado, que também praticam a pesca esportiva”, explicou.

Roberto Brasil