Governo do Amazonas articula aproveitamento de resíduos gerados durante o Festival de Parintins

By -

 

coleta-seletiva

O Festival Folclórico de Parintins 2013 entra na era da sustentabilidade com ações de aproveitamento dos resíduos gerados pelos bois Caprichoso e Garantido. O Governo do Estado, por meio do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), articulou o trabalho em parceria com a Prefeitura de Parintins para dar destinação correta aos resíduos e gerar renda para a população do município.

Neste mês de junho, durante a abertura da 4ª Conferência Estadual de Povos e Comunidades Tradicionais do Amazonas, a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SDS) e os presidentes dos bumbás Caprichoso, Márcia Baranda, e Garantido, Telo Pinto, assinaram um termo de compromisso para um amplo programa de compensação das emissões de gases de efeito estufa durante o evento.

Segundo o presidente do Ipaam, Antonio Ademir Stroski, as empresas Coplast, Cometais e Rio Limpo, que atuam no mercado de reciclagem do Polo Industrial de Manaus, vão participar da ação comprando os resíduos, disponibilizando equipamentos e ministrando treinamentos.

Todo o material dos barracões dos bumbás e também dos recicláveis recolhidos pela Associação de Catadores de Parintins (Ascalpin) durante as apresentações dos bois no Bumbódromo, nos locais públicos de concentração de brincantes e estabelecimentos comerciais serão comprados. Nesses casos, a expectativa é em torno de latas de alumínio, pets e outros tipos de material reciclável.

Programa de Coleta Seletiva – Além da reciclagem do resíduo gerado no Festival, a ação também será incorporada ao Programa de Coleta Seletiva do Município, desenvolvida ao longo do ano, em cumprimento às normas ambientais e à Política Nacional de Resíduos Sólidos.

O proprietário da Cometais, Valter Ribeiro, disse que foi várias vezes a Parintins, mas só agora tem ido com o olhar para a reciclagem, a partir da orientação do Ipaam. “Nossa visão é a de criar um sistema que seja perene para o município e não que atenda apenas ao Festival. Partimos do princípio de que o sistema seja economicamente e conscientemente autossustentável”

 

Redação