Francisco Souza vai ao CIEE para tratar sobre o Projeto Jovem Aprendiz na Aleam

By -

“O Projale vai ser a solução para muitos jovens que precisam praticar o que aprendem na escola”, afirmou Francisco Souza

Na segunda-feira (20), o deputado Francisco Souza (PTN), se reuniu com representantes do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), para discutir sobre o Projeto de Resolução Legislativa nº. 30/2016, que institui o Programa do Jovem Aprendiz da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Projale).

A reunião contou com a presença do superintendente Nacional do CIEE, Marcelo Gallo, do Gerente Regional do CIEE, Sérgio Alencar, do gestor da Unidade, Cláudio José Ferreira, do deputado Platiny Soares (DEM) e do Presidente de Assembleia Legislativa (Aleam), deputado David Almeida (PSD).

O projeto de autoria do deputado Francisco Souza, visa beneficiar estudantes mediante atividades teóricas e práticas desenvolvidas no ambiente de trabalho. O Projale será uma parceria entre o CIEE e a Aleam. Com isso, os jovens terão a oportunidade de inclusão social com o primeiro emprego e de desenvolver competências para o mundo do trabalho, enquanto a Assembleia Legislativa têm a oportunidade de contribuir para a formação dos futuros profissionais do Estado, difundindo os valores culturais, éticos e profissionais.

Para o Superintendente do CIEE, todos têm a ganhar com o projeto, pois ele ensina futuros técnicos a se desenvolverem dentro de suas competências de trabalhos. “O jovem aprendiz na Assembleia Legislativa já é uma realidade em outros estados como Rondônia, e através do deputado Souza, queremos ampliar para o Amazonas, e quem sabe, futuramente para o Brasil. Porque uma experiência assim é muito importante para a formação acadêmica de qualquer estudante”, relatou o Marcelo Gallo.

Pela proposta apresentada, o quantitativo de jovens aprendizes a serem contratados pela a Assembleia Legislativa não poderá ser superior a 10% do total de cargos de provimento efetivo da ALE, reservando-se, deste percentual o total de vagas, 10% para estudantes com necessidades especiais, compatível com a atividade a ser realizada, e ainda, 15% para jovens comprovadamente carentes.

Segundo Francisco Souza, atualmente a maior dificuldade dos estudantes é conseguir a experiência necessária para ingressar no mercado de trabalho. “O Projale vai ser a solução para muitos jovens que precisam praticar o que aprendem na escola, e também, vai aproximar o poder legislativo dos novos cidadãos”, disse. O parlamentar também destacou que o projeto de resolução pode servir como exemplo para outras instituições e secretarias do Amazonas.

Caso a propositura seja aprovada, somente poderão participar do programa, os jovens que estiverem matriculados em escola da rede pública e com frequência regular. O aprendiz deve ser maior de 14 anos e menor de 24 anos e após vencido o processo de seleção receberá o salário correspondente a 50% do salário mínimo vigente.

Roberto Brasil