Francês processa ex-empresa por ‘não fazer nada’ no trabalho

By -
Desnard diz que foi “colocado na geladeira'' e transformado em “profissional zumbi''

Desnard diz que foi “colocado na geladeira” e transformado em “profissional zumbi”

Passar o expediente matando o tempo no escritório pode ser a definição de emprego ideal para alguns. Mas para o francês Fréderic Desnard, 44, ter um trabalho entediante, em que ele “não fazia nada”, foi razão para processar a empresa.

Ele entrou com uma ação na justiça do trabalho da França nesta segunda-feira (2), pedindo indenização de 360 mil euros (cerca de R$ 1,46 milhão) por danos morais e direitos trabalhistas.

O francês ganhava mais de 800 mil euros (cerca de R$ 3,25 milhões) por ano no cargo de diretor de serviços gerais da companhia de perfumes de luxo Interparfums.

A falta do que fazer começou em 2009 e piorou em 2012, segundo ele, quando a empresa perdeu um grande cliente e passou a demitir parte da equipe.

Desnard diz que foi “colocado na geladeira” e transformado em um “profissional zumbi” e alega que isso lhe causou sérios problemas emocionais e de saúde.

O caso deve ser julgado por um tribunal de Paris em 27 de julho.

‘Garoto’

Em entrevista ao jornal francês “Le Monde”, disse que trabalhava “entre 20 e 40 minutos por dia”.

Apesar da posição de diretor, Desnard afirma que seus superiores o chamavam de “garoto” e não lhe davam nenhum trabalho. Pediam apenas que fizesse tarefas pessoais para eles, como buscar os filhos na escola.

Desnard diz que chegou a ser mandado para casa, com um aviso de que seria chamado caso o chefe precisasse, o que não teria acontecido.

Ele afirma que essa situação lhe causou “extremo cansaço”. “Eu não tinha mais energia para nada. Me sentia culpado e envergonhado de ganhar um salário sem fazer nada. Tinha a impressão de ser invisível na empresa”, disse ao jornal francês.

Mercado em crise

Para o advogado de Desnard, Montasser Charni, trata-se de uma forma de assédio moral, que teria acarretado problemas de saúde para o seu cliente.

“Ele teve depressão e sofreu um acidente de trânsito em decorrência de um ataque epiléptico”, disse. Após o acidente, Desnard ficou sete meses em licença médica e, em seguida, foi demitido, em setembro de 2014.

Segundo Charni, o funcionário não teve coragem de reclamar para a empresa porque o mercado de trabalho passava por uma crise.

Empresa nega acusações

A empresa nega as acusações. O advogado da companhia, Jean-Philippe Benissan, afirma que o ex-funcionário nunca enviou sequer um e-mail reclamando de sua situação, nem alertou a fiscalização dos direitos trabalhistas.

Benissan disse, ainda, que o médico da empresa sempre atestou Desnard como tendo boas condições de saúde.

A companhia questionou a “estratégia” do ex-funcionário, afirmando que ele anteriormente recorreu à justiça do trabalho alegando estar sobrecarregado.

(Com AFP)

Roberto Brasil