FHC diz que Dilma é ‘honrada’ e responsabiliza Lula por escândalos

By -
“Não tenho nenhum ódio na política", declarou FHC

“Não tenho nenhum ódio na política”, declarou FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) eximiu a presidente Dilma Rousseff de responsabilidade direta no escândalo de corrupção da Petrobras, que levou o governo à mais grave crise já enfrentada pelo PT desde sua chegada ao Planalto, em 2003.

Em entrevista à revista alemã “Capital”, o tucano diz que a petista é “honrada” e que a responsabilidade “política” pela situação atual é do antecessor dela, Luiz Inácio Lula da Silva.

Questionado sobre se via envolvimento de Dilma no caso da Petrobras, FHC disse que “não. Não diretamente”. “O partido dela sim, naturalmente. O tesoureiro [João Vaccari Neto] está na cadeia”, ressaltou.

“Eu a considero uma pessoa honrada”, disse FHC. “Não tenho nenhum ódio na política”, concluiu. Já sobre o envolvimento do ex-presidente Lula, o tucano disse não saber “em que medida” se poderia atribuir algo a ele, mas que “politicamente é responsável”.

“Os escândalos começaram no governo dele”, diz FHC, que lembra durante a entrevista o esquema do mensalão, descoberto em 2005, ainda no primeiro mandato de Lula.

Ao ser questionado sobre o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, condenado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) por participação no mensalão e citado por delatores da Operação Lava Jato, disse ser “impossível que ele [Lula] não soubesse” da corrupção na Petrobras. “Todos sabiam que havia algo esquisito, mas provar isso é outra coisa”, avaliou.

O tucano concedeu a entrevista em seu escritório, em São Paulo, o que indica que as declarações foram dadas há pelo menos três semanas, já que FHC saiu de férias neste período.

As falas, portanto, ocorreram antes de ser revelado que interlocutores do petista e do Palácio do Planalto procuraram FHC para estimular uma conversa entre ele e Lula sobre o futuro do governo Dilma.

CADEIA

Apesar de atribuir responsabilidade política a Lula nos escândalos de corrupção, FHC diz que é preciso “haver algo concreto” para considerar a possibilidade de uma condenação. “Talvez ele seja convidado a depor como testemunha. Isso já seria desmoralizante o suficiente.”

O tucano afirma que uma condenação de Lula “dividiria o país” e diz ressalta que o petista é um “líder popular” com uma história de vida comovente. “Ele é um símbolo e esse símbolo não deve ser destruído, ainda que isso beneficie o meu partido. É preciso ter sempre o futuro do país em mente”, sinalizou. FOLHAPRESS

Roberto Brasil