Festival Folclórico do Amazonas terá lendas amazônicas, cirandas e dança árabe neste sábado (18)

By -

FESTIVAL-FOLCLORICO-AM_1Neste sábado, 18, a partir das 20h, a arena do Centro Cultural dos Povos da Amazônia será sacudida por cirandeiros, tribos indígenas, além de danças nacionais e internacionais. As atrações fazem parte da categoria Prata do 59º Festival Folclórico do Amazonas, realizado pela Prefeitura de Manaus, por meio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), em parceria com o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (SEC).

A Companhia Artística Caracalla abre a noite de apresentações às 20h, com danças árabes inspiradas em técnicas orientais e ocidentais, em homenagem ao grupo de dança Caracalla, do coreógrafo libanês Abdul-Halim Caracalla. A apresentação da companhia será até às 20h40. Em seguida, às 20h45, a Ciranda Sedução da Compensa entra em cena com a “Lenda das Mulheres Guerreiras”. Mulheres indígenas que manipulavam arco e flecha, conhecidas como “Icamiabas”, que tem o sentido de “mulheres sem marido”. Todo o enredo da apresentação é baseado nas aventuras de Francisco Orellana e do Frei Gaspar de Carvajal, durante a jornada exploratória da América do Sul.

Logo depois, às 21h30, a “Quadrilha Alternativa Guardiões das Estrelas” trará ao público presente um mix em comemoração aos seus dez anos de existência: hip-hop; acrobacias no ar; balé urbano em homenagem ao programa “Fantástico”, da TV Globo; funk cantado ao vivo; uma nave espacial com “O retorno após a morte de Michael Jackson”, ao som de “Thriller”; e a presença do MC Rodrigues estão entre os destaques da apresentação que será até às 22h10.

FESTIVAL-FOLCLORICO-AM_2Mais tarde às 22h15, a “Tribo Katukina Pida Djapá” começa a apresentação de cacetinho com o “Ritual das Cobras Grandes”, lenda amazônica composta pelas cobras Honorato e Maria Caninana, filhos de uma mulher que engravidou de uma sucuri. Diz a lenda que Honorato salvou muita gente de morrer afogada, já Maria Caninana era violenta e atacava os pescadores. Todo o espetáculo da tribo terá alegorias indígenas.

E às 23h, a segunda noite de apresentações da categoria Prata encerra com a Dança Nacional “Café XV de Outubro”, com a “Aquarela do Brasil”, homenagens aos escravos e à miscigenação em referência a época áurea do Café no Brasil.

A segunda fase do Festival Folclórico do Amazonas, que é a categoria Prata, coordenada pela Manauscult, encerra as apresentações no dia 24. Em seguida, serão realizadas as apresentações dos grupos da mostra não-competitiva do festival, nos dia 25 e 26, em que grupos fora da disputa também poderão apresentar seus trabalhos e obter a possibilidade de se apresentarem na competição em 2016. A apuração e o resultado da mostra competitiva da categoria Prata deve ocorrer no fim do mês, após o encerramento do festival. Os primeiros colocados em cada modalidade de dança passarão a integrar no próximo ano a categoria Ouro, que tem a coordenação da SEC.

Roberto Brasil