Festa de abertura à base de ‘gambiarra’ falará sobre paz e ecologia

By -

MARACANÃPaulinho da Viola cantando o Hino Nacional. Caetano, Gil e Anitta interpretando Ary Barroso. Um voo do 14 Bis, o avião criado por Santos Dumont. Gisele Bündchen desfilando ao som de “Garota de Ipanema”, com Paulo Jobim, filho de Tom, ao piano.

Essas são algumas das cenas que um público estimado em 3 bilhões de pessoas verá pela TV —e outras 50 mil, ao vivo, no Maracanã– durante a cerimônia de abertura da Rio-2016, que acontece nesta sexta-feira (5), às 20h.

Um dos momentos mais aguardados de uma Olimpíada, a festa nacional foi feita à base da “gambiarra”, definiu a equipe estelar de diretores criativos: os cineastas Fernando Meirelles, Andrucha Waddington e Daniela Thomas.

Nos últimos meses, eles se esforçaram para passar a impressão de que fizeram mais com menos —tanto em termos orçamentários quanto de espaço no Maracanã.

O trio reclamou da falta de recursos. O orçamento, não divulgado, foi inferior ao de todas as cerimônias olímpicas anteriores, segundo eles.

Ainda assim, os organizadores afirmam que esta será uma cerimônia “cool”, sem deixar nada a dever às anteriores. As atrizes Fernanda Montenegro e Judi Dench, a única estrangeira da apresentação, vão ler um poema em português e inglês.

Além dos já citados, outros participantes serão Elza Soares, MC Soffia, Jorge Ben, Marcelo D2, Zeca Pagodinho e a modelo transexual Lea T.

O sigilo costuma ser fator importante de cerimônias, mas um ensaio aberto que aconteceu no domingo (31) revelou boa parte do enredo.

Pelo que foi visto, 5.000 voluntários e 200 dançarinos participarão da narrativa, que se estende por três horas e conta a história do Brasil, da formação da terra e da chegada dos colonizadores portugueses, passando pelo processo de urbanização até chegar aos tempos atuais. Será uma cerimônia com mensagens de paz e mudança climática.

“A mensagem que deve ficar é da importância da tolerância. Vivemos um momento muito tenso no Brasil, nos EUA, na Inglaterra, no mundo. Comentamos esse estado tenso e fazemos um apelo à tolerância”, disse Meirelles.

“Também queremos fazer um chamado à ação, lembrar as pessoas que a raça humana está ameaçada, que estamos num momento crucial, não é coisa de ‘ecochato’.”

Os espectadores vão ganhar sementes de brinde, e os atletas, mudas que serão plantadas no parque de Deodoro.

Doze escolas de samba, como Mangueira, Portela e Mocidade Independente, encerrarão a festa com um Carnaval. A organização levou um ano para botar tudo isso de pé.

Antes, haverá o desfile de delegações, outra “gambiarra”. Tradicionalmente, elas circundam uma pista de atletismo. Como o Maracanã não tem, as 11 mil pessoas cruzarão o centro do campo saindo por lados opostos, como um Y.

O grande segredo que ainda se mantém é como a pira olímpica será acesa, e quem terá essa honra. O jogador Pelé foi convidado para assumir a tarefa. Pistas indicam que o tenista Gustavo Kuerten deve entrar no estádio com a tocha, passando-a para ao menos dois outros atletas antes que ela chegue ao rei do futebol.

(Com ESTADÃO CONTEÚDO)

Roberto Brasil