FUMAÇA: Fenômeno é causado pela ação humana e agravado por condições climáticas

By -

queimada-manaus-1A cidade de Manaus amanheceu nesta quinta-feira, 1º de outubro, encoberta de uma densa camada de fumaça, que deixou o céu da cidade cinza, o clima ainda mais abafado e com um forte odor. O fenômeno, de acordo com informações da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) é resultado da queima de vegetação em diversas regiões do Estado – baixo, médio e alto Solimões e Região Metropolitana, principalmente – agravada pelo verão intenso e a falta de ventos.

O volume de fumaça proveniente dessas queimadas em grandes áreas de roçado, pastagem e onde é praticada a agricultura familiar, não se dispersa, permanecendo estacionário sobre as cidades. Em síntese, o fenômeno é resultado direto da intervenção do homem, agravada pelas condições climáticas e atmosféricas. Na área urbana, prevalecem como causas principais de queimadas as invasões onde, frequentemente, a vegetação é incendiada para abrir espaço à construção dos barracos.

queimada-manaus-2De acordo com o prefeito Artur Virgílio Neto, o Município está atento e fazendo o possível para conscientizar a população quanto aos riscos dessa ação predatória para o meio ambiente e para a saúde das pessoas. “Queimar folhas ou lixo não é uma atitude recomendada e estamos alertando a população com ações educativas e também fiscalizatórias. Ao mesmo tempo, já recomendamos aos nossos agentes de limpeza pública que, além do lixo doméstico, também recolham os sacos com folhas, para que a população tenha alternativas práticas para evitar as queimadas”, destacou.

O combate a essas ações exige atuação compartilhada entre os órgãos, como a própria Semmas e a Polícia Militar, por meio do Departamento de Inteligência, Batalhão de Policiamento Ambiental e Delegacia Especializada em Meio Ambiente (Dema), para identificar os responsáveis e aplicar as penas previstas em lei, inibindo a prática desse crime ambiental.

queimada-manaus-5A queima do lixo doméstico lidera as denúncias recebidas pela Semmas. De acordo com a Diretoria de Fiscalização da Semmas, de janeiro a setembro deste ano, foram recebidas 231 denúncias, que geraram 56 autos de notificações, apenas com caráter de orientação. Destas, 84 foram registradas apenas nos meses de agosto e setembro. 

Trabalho integrado 

A Prefeitura de Manaus possui um Grupo de Gestão Integrada Municipal (GGIM), coordenado pelo Gabinete Militar, que vem atuando diretamente em diversas frentes, com o trabalho conjunto de secretarias e órgãos municipais e estaduais, responsável pela criação de uma força-tarefa voltada para a questão da prevenção às queimadas urbanas.

queimada-manaus-4Além disso, realiza campanhas de orientação na mídia, com a finalidade de sensibilizar a população sobre os malefícios causados pela queima. Por meio da Divisão de Educação Ambiental, a Semmas realiza palestras e ações de sensibilização em comunidades, ao longo de todo ano, com a distribuição de material informativo, o que contribui para uma redução no número de denúncias. 

Defesa Civil orienta em caso de queimadas 

A principal orientação da Defesa Civil de Manaus para esse período é que as queimadas de lixo e de resíduos florestais sejam evitadas em qualquer circunstância. “A previsão dos órgãos oficiais meteorológicos é que o mês de outubro até meados do mês de novembro vai continuar seco. A orientação é para que a população evite realmente tocar fogo em área verde, em lixeiras viciadas, em resíduos florestais, no material coletado de limpeza dos quintais. Isso, na área urbana”, diz o secretário-executivo da Defesa Civil capitão Aníbal Gomes.

queimada-manaus-4O secretário disse, ainda, que a população deve também atuar na fiscalização das queimadas e denunciar aos órgãos competentes como a Semmas – 08000922000 ou semmas.manaus.am.gov.br – Defesa Civil – 199 – Corpo de Bombeiros – 193. “Nesse momento, todos os órgãos estão mobilizados para evitar as queimadas urbanas”, afirma.

Cuidados com a saúde 

Por conta da onda de calor e pela fumaça presente no ar, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) tem recebido um número de chamadas bem acima do normal. Por isso, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) está reforçando o alerta junto à população, para evitar o agravamento de doenças respiratórias. Os profissionais de saúde do Município têm orientado quanto à necessidade de se manter hidratado, entre outros cuidados.

queimada-manaus-8“As crianças e os idosos, além das pessoas que sofrem com doenças asmáticas, portadores de bronquite e de doença pulmonar obstrutiva crônica são os mais prejudicados. Mas, de modo geral, inalar fumaça é sempre um grande agravo à saúde”, alerta o secretário da Semsa, Homero de Miranda Leão.

A médica Shadia Hauache Fraxe, especialista em Medicina de Família e Comunidade, explica que, além de degradar o meio ambiente, a fumaça das queimadas pode ocasionar doenças como rinite alérgica, falta de ar e bronquites, fazendo com que o paciente precise procurar um hospital ou pronto socorro para atendimento médico.

queimada-manaus-6“A principal recomendação é que as pessoas não esqueçam de manter a hidratação durante todo o dia, consumindo muita água. A quantidade de líquido não é padronizada, já que a necessidade de consumo de água de uma criança, por exemplo, é diferente do idoso”, informa Shadia Fraxe.

Além dos cuidados com a hidratação, a recomendação é para o uso de roupas leves e para que a população evite a exposição ao sol, principalmente no horário das 10h às 16h. Para quem dorme com o ar-condicionado e não tem umidificador de ar, a sugestão é colocar uma bacia ou outro vasilhame com água no quarto para evitar o ressecamento das vias aéreas.

De acordo com a médica, que atende a população na Unidade Básica de Saúde da Família – Sul 50 (bairro Aleixo, zona Sul), ainda é importante reforçar o trabalho de Educação em Saúde para que a população evite queimar o lixo em casa. “Algumas pessoas têm o hábito de queimar o lixo ou as folhas recolhidas nos terrenos. Além do risco do fogo se alastrar, pode haver prejuízo para a saúde da população”, adverte Shádia Fraxe.

Roberto Brasil