Falta de segurança impede acesso de turistas na fronteira Brasil-Colômbia

By -

“Essa audiência me trouxe bons resultados, pois acompanhei de perto os clamores vindos do povo”, afirmou Francisco Souza

A falta de segurança é um dos entraves que impede o acesso de turistas na fronteira entre Brasil e Colômbia. Esse é o resultado que apontou uma Audiência Pública realizada na quarta-feira (28), na Câmara Municipal de Tabatinga. O evento teve a organização da Comissão de Turismo (Ctur) da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), presidida pelo deputado estadual Francisco Souza (Podemos), e contou com a participação do prefeito da cidade, Saul Nunes, de 9 dos 12 vereadores do município, empresários dos setores de entretenimento, hoteleiro e comercial, além dos secretários municipal e estadual de Letícia/Colômbia. As oficinas e palestras, que colhem informações sobre as necessidades locais, foram ministradas por uma equipe da Empresa Amazonense de Turismo (AmazonasTur).

“Essa audiência me trouxe bons resultados, pois acompanhei de perto os clamores vindos do povo e pude, com a minha equipe, relacionar os pontos que precisam ser avaliados com a máxima urgência, como a falta de segurança, que afugenta os turistas e impede o município de ampliar sua economia”, resumiu Souza.

Na sua fala, o prefeito Saul Nunes fez um desabafo que fez coro à reclamação geral, a segurança pública, seguida de um pedido a Francisco Souza que trouxesse a Manaus as reivindicações de Tabatinga e reforçasse, junto ao governo do Estado, os pedidos do interior. “É complicado, deputado, uma cidade de mais de 100 mil habitantes possuir um efetivo de apenas 12 policiais militares. Dessa forma é difícil acessar, com segurança, toda a população”.

A ponderação do prefeito foi seguida pelo dono de uma agência de viagens, Marcelo Bacana. Na opinião do empresário, a “má fama” do município se deve ao fato do esquecimento das autoridades que abandonaram a ideia de tornar a cidade em atrativo turístico. “Temos a exuberância das nossas riquezas naturais, mas é preciso a adoção de infraestrutura, sinalizações e roteiros para os turistas. Ficar à sombra dos atos de violência não se resolve sem ação”, afirmou Bacana.

Para a secretária municipal de turismo de Letícia, Patricia Contrêras, a longa caminhada que o governo colombiano trilhou para obter um turismo sustentável, capaz de atrair apenas para Letícia mais de 90 mil visitantes por ano, teve início nos “anos negros do narcotráfico”, onde a propaganda “o risco é você querer ficar” afastou o medo e transformou cidades, como Bogotá, Medelin e Cali em cartões postais da Colômbia. “As dificuldades não se resolvem da noite para o dia, mas de uma coisa tenho certeza, os atrativos já nos foram dados e, agora, precisamos explorá-los, como o nosso rio Amazonas, que é único. Aliás, qual outro lugar conhecemos no Norte que em apenas um dia é possível conhecer três países: Brasil, Colômbia e Peru?”, questionou a secretária colombiana.

Câmara Temática

Por sugestão do deputado Francisco Souza será criada uma Câmara Temática do Turismo voltada ao debate sistemático de ações que beneficiem os municípios que integram o Alto Solimões (Tabatinga, Benjamin Constant e Atalaia do Norte) e Letícia, na Colômbia, envolvendo os vereadores e secretários municipais. A ideia é promover reuniões mensais e que sejam trazidas, de cada localidade, necessidades e soluções para o enfrentamento das causas que travam a promoção do turismo na área de fronteira.

Roberto Brasil