Ex-senador Gim Argello é preso em nova fase da Lava Jato

By -
O senador Gim Argello (PTB-DF) no plenário da CCJ

O senador Gim Argello (PTB-DF) no plenário da CCJ

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (12) a 28ª fase da Operação Lava Jato, que tem como alvos o ex-senador do Distrito Federal Gim Argello (PTB) e a construtora OAS.

O ex-parlamentar foi preso preventivamente. A PF cumpre ainda dois mandados de prisão temporária, que têm como dois assessores de Argello, e quatro mandados de condução coercitiva (condução compulsória por agentes policiais).

Os policiais federais cumprem ainda 14 mandados de busca e apreensão –entre elas, na sede da OAS, em São Paulo. Além de São Paulo, as medidas estão sendo cumpridas no Rio de Janeiro, em Taguatinga e em Brasília.

A investigação, segundo a PF, mira em indícios de que um integrante da CPI da Petrobras no Senado e da CPI mista da estatal teria “atuado de forma incisiva no sentido de evitar a convocação de empreiteiros para prestarem depoimento, mediante a cobrança de pagamentos indevidos travestidos de doações eleitorais oficiais em favor dos partidos de sua base de sustentação”.

Gim Argello era o vice-presidente da Comissão, que funcionou em 2014.

Polícia Federal em escritório da OAS na avenida Angélica, em São Paulo

Polícia Federal em escritório da OAS na avenida Angélica, em São Paulo

Em dezembro, o ex-senador prestou depoimento à PF em Brasília após ser acusado pelo dono da UTC Engenharia, Ricardo Pessoa, de ter atuado para blindar construtoras na CPI. Delator na Lava Jato, Pessoa disse ter pago R$ 5 milhões a aliados do ex-parlamentar.

Conforme a Folha revelou em agosto, o ex-governador José Roberto Arruda (PR, ex-DEM), o ex-senador Luiz Estevão (PRTB-DF) e o deputado Alberto Fraga (DEM-SE) confirmaram que Gim Argello viabilizou doações feitas pela UTC nas eleições do ano passado.

Na ocasião, Argello confirmou que seus aliados receberam recursos da UTC, mas que as contribuições nada têm a ver com os trabalhos da comissão.

“Como é possível blindar quem quer que seja numa CPI formada por 33 deputados e senadores de diferentes partidos? Isso não existe, não houve qualquer ilegalidade. E eu não recebi nada da UTC, nem um centavo”, argumentou na CPI.

VITÓRIA DE PIRRO

A nova fase da Lava Jato, Vitória de Pirro, alude à noção clássica de triunfos militares que acabam por exaurir os recursos e derrotar os vencedores.

O título surge na semana em que o governo joga tudo para evitar a abertura do processo de impeachment contra Dilma Rousseff pela Câmara, oferecendo cargos e verbas a aliados.

O nome vem de Pirro de Épiro (319/318 a.C.-272 a.C), rei grego que dedicou sua carreira a embates sangrentos com Roma –com o desfecho conhecido.

Segundo a crônica clássica de Plutarco, durante uma de suas campanhas no sul da Itália, Pirro comentou com quem lhe congratulou pelo sucesso em Ásculo (279 a.C): “Outra vitória como esta vai me destruir para sempre”.

(Com Folhapress)

Roberto Brasil