Ex-assessora parlamentar que matou o marido se entrega à polícia

By -

Ex-assessora é apontada como mandante e autora do assassinato do próprio marido (Foto: Divulgação)

A ex-assessora parlamentar Eucilane Silva Souza, a “Nega”, suspeita de participar do esquartejamento e ocultação de cadáver do próprio marido, se entregou nesta sexta-feira, (22), por volta de 15h, na Delegacia Geral da Polícia Civil, localizada no bairro Dom Pedro, zona Centro-Oeste de Manaus. De acordo com informações da assessoria, Eucilene se entregou acompanhada do advogado e será apresentada à imprensa na próxima segunda-feira. (25).

Eucilene é apontada como mandante e autora do assassinato do próprio marido, o microempresário Emerson Pinto dos Reis, o “Branco”. Ela tem um mandado de prisão pelo homicídio. Os outros envolvidos no crime – que ocorreu em abril deste ano – já estão presos.

De acordo com as investigações, Eucilene contou com a ajuda de dois homens e um adolescente de 17 anos, sendo um deles o amante da suspeita, identificado como José Alexandre Cavalcante dos Santos, o “Caverna”.

Segundo as investigações, o bando teria desferido cerca de 20 facadas em Emerson. Em seguida, eles o esquartejaram, colocaram os membros em duas malas e enterraram o cadáver no ramal do Brasileirinho, Zona Leste.  O corpo da vítima foi encontrado dia 10 de agosto deste ano em uma cova rasa, após a polícia efetuar a prisão dos dois homens e a apreensão do adolescente, que confessaram a ação criminosa, em detalhes.

De acordo com o delegado Thomaz Vasconcelos, do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), no dia 10 de abril deste ano, Alexandre, Carlos Haroldo da Conceição Lopes, o “Eduardo”, e o adolescente de 17 anos se esconderam dentro do quarto do casal, na residência da vítima, localizada no bairro São Raimundo, Zona Oeste, quando Eucilane levou o marido até o local.

“Ao entrar no quarto, Emerson foi recebido com várias facadas pelo corpo, aproximadamente 20. O adolescente relata que como a vítima era grande, os autores cortaram o pescoço de Emerson, quase o degolando. Quando estava sendo esfaqueado, Emerson implorou pela vida e pediu que a mulher não o matasse, pois ele a amava. Depois, o esquartejaram.  Eucilene então pegou duas malas de viagem, onde colocaram os membros inferiores e superiores da vítima. Em seguida, ela forçou uma amiga a dirigir o carro até o ramal, onde fizeram uma cova e enterraram o corpo. Dois dias depois do crime, Eucilene veio até a Deops (Delegacia Especializada de Ordem Política e Social) registrar o desaparecimento do marido, alegando que ele saiu de casa, após uma briga do casal e não voltou mais”, relatou.

Ainda segundo o delegado, durante as investigações, a amiga de Eucilene confessou que tinha sido coagida a dirigir o próprio carro onde foi levado o corpo. A ex-assessora parlamentar chegou a depor na delegacia, mas sempre negando que o marido, com quem era casada há 22 anos, estava morto.

A polícia então conseguiu provas que as malas usadas para levar a vítima foram queimadas em um lixão. As malas passaram pela perícia onde foi confirmada que havia sangue de Emerson. Os mandados de prisão preventiva então foram solicitados e deferidos pela juíza da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Mirza Telma.

“Conseguimos prender o Alexandre e apreender o adolescente, além do outro autor que estava no Pará. Todos eles confessam em detalhes o crime. O Alexandre era ex-funcionário de Emerson e amante de Eucilene. Os autores não receberam nenhum valor para cometer o crime e o adolescente contou que a suspeita prometeu pagar os comparsas meses depois do assassinato, no entanto, como ela soube que tinha mandado de prisão contra ela, acabou fugindo”, explicou Vasconcelos.

(Por Portal A Crítica)

Roberto Brasil