Em torno de 26 mil atendimentos a internos foram realizados nas unidades prisionais da capital no mês de maio

By -

 13002491_1750579601895642_7775978458059901580_o

Durante todo o mês de maio, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), realizou, aproximadamente, 26 mil atendimentos a internos nas áreas psicológica, jurídica, social, de saúde, odontológica e educação física. O número corresponde ao relatório mensal de dez unidades prisionais da capital do regime provisório, fechado e semiaberto. 

As unidades atendidas foram os Centros de Detenção Provisória Feminino (CDPF) e Masculino (CDPM), Penitenciária Feminina (PFM), Unidade Prisional Semiaberto Feminino (UPSF), Cadeia Pública Raimundo Vida Pessoa (CPDRV), Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico (HCTP), Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), Unidade Prisional do Puraquequara (UPP) e Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) dos regimes fechado e semiaberto. 

2

Para o secretário, Pedro Florêncio, a iniciativa segue a orientação de oferecer um tratamento humanizado aos detentos. “Dentro das restrições que eles enfrentam diariamente, na condição de encarcerados, nós como Estado, procuramos viabilizar essas ações, que permitem a eles ter uma melhor qualidade de vida durante o período em que estão cumprindo pena”, afirma.

 Na área psicológica foram realizados 3.318 atendimentos, no jurídico 6.329, no serviço social 1.338, atendimento médico 1.081, enfermaria 649, odontológico 8.800 e educação física 4.150, totalizando 25.745 atendimentos.

 3

A Seap busca, através desses atendimentos, implementar ações de prevenção e de imunização a saúde dos internos, agilizar os processos jurídicos e realizar atendimentos sociais, buscando uma atenção para a pessoa encarcerada e o convívio com a família. 

A maioria dos procedimentos é realizada dentro das unidades prisionais, na área social onde ficam as salas de enfermaria, odontologia, social, psicológica e o jurídico. As atividades guiadas pelos profissionais de educação física são feitas nas quadras e áreas de vivência das unidades. Todos os atendimentos são realizados pelas equipes técnicas da Seap e da Umanizzare Gestão Prisional Privada, juntamente com apoio de entidades parceiras.

 

Mario Dantas