Em menos de 24h de inaugurado, projeto Manôbike é alvo de vandalismo

By -

Em menos de 24h após a inauguração, quatro bicicletas do projeto Manôbike, lançado na quarta-feira, 12/4, pelo prefeito em exercício de Manaus Marcos Rotta, foram alvo de vandalismo. O caso mais grave foi registrado na estação 9, instalada no Mercado Municipal Adolpho Lisboa, onde uma bike teve parte do guidom cerrado e a cesta furtada. 

A empresa operadora do sistema, Samba/Serttel, informa que denúncias podem ser feitas imediatamente à Central de Atendimento ao Cliente pelo número 4003-0387, para que seja acionada a assistência técnica local. Nos casos ocorridos, a operadora já está atuando para reparar os danos causados. O custo médio da operação em Manaus, incluindo manutenção, é de R$ 10 mil. 

O presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), Claudio Guenka, esteve na estação nesta quinta-feira, 13/4. O Implurb é responsável pelo contrato de Termo de Cooperação sem ônus para o Município. “Vamos tomar as medidas necessárias, mas inicialmente queremos que a população se conscientize do sentimento de que o projeto é da cidade, pertence a cada cidadão. É um bem que fica para a população e não podemos deixar que isso ocorra”, declarou. 

Na segunda-feira, 17, após o feriado, será realizada uma reunião com a empresa para verificar os meios para se apurar o que ocorreu. “A Prefeitura de Manaus, por ação do prefeito Arthur Virgílio Neto, está implantando inovações na cidade, mas é preciso apoio de todos. Não gostaríamos, na verdade, que nenhuma bicicleta fosse danificada. É um tipo de equipamento urbano que não precisa de vigilância, mas vamos pedir apoio da Guarda Municipal”, observou Guenka. 

Quem passou pelo local enquanto as bikes danificadas eram recolhidas lamentou o episódio. “As pessoas precisam respeitar a bicicleta. Não é porque o benefício é público, que a população deve achar que pode destruir ou levar e não devolver. A ideia é ótima, principalmente para o trânsito aqui de Manaus”, disse a pedagoga Janete Canto, 41. “Essa ideia é ‘maneira’, facilita para quem precisa. É uma pena ainda ter por aí quem queira fazer o mal”, completou o carregador André Silva, 25.

Roberto Brasil