Em Barreirinha, indígena é preso por tentativa de homicídio do próprio irmão

By -
“Preto” teria abusado sexualmente da própria sobrinha

“Preto” teria abusado sexualmente da própria sobrinha

O delegado Adilson Oliveira, titular da 42ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP), situada em Barreirinha, município distante 331 quilômetros em linha reta da capital, em parceria com policiais militares lotados no 11° Batalhão da Polícia Militar, prendeu no lugar, por volta das 10h desta quinta-feira (7), o indígena Manoel Graciel de Araújo, 30, conhecido como “Preto”, envolvido em tentativa de homicídio do próprio irmão, ocorrida no dia 19 de dezembro de 2015.

Conforme a autoridade policial, a prisão de Manoel ocorreu em cumprimento a mandado de prisão expedido no dia 21 de março deste ano, pela juíza da Comarca de Barreirinha, Silvânia Corrêa Ferreira. “Fomos até a comunidade indígena onde Manoel morava para cumprir o mandado, mas ele não foi encontrado. Na volta, fomos informados que ele estava em via pública, onde efetuamos a prisão”, disse Adilson.

De acordo com o delegado, o crime ocorreu após a vítima, Manoel Tarcílio de Araújo, 68, comunicar à lideranças indígenas que “Preto” teria abusado sexualmente da própria sobrinha, filha de Manoel Tarcílio. O infrator então desferiu golpes de terçado na cabeça do irmão. O fato ocorreu na Aldeia Prosperidade, Distrito de Ponta Alegre, nas proximidades do município de Barreirinha.

Manoel Tarcílio foi socorrido e levado a um hospital em Parintins. Em seguida foi transferido para a capital e permanece internado em estado grave na Casa de Saúde Indígena (Casai), no quilômetro 24 da rodovia estadual AM-010.

Em depoimento, “Preto” confessou a autoria o delito e disse que teria sido coagido a cometer o crime. “Ele nos informou que outro indígena, chamado Cláudio, teria sido o mandante. Iremos intensificar as diligências pra confirmar, de fato, a participação de mais uma pessoa no caso”, declarou o delegado.

Manoel Graciel foi indiciado por tentativa de homicídio. Ele permanece preso na carceragem da 42ª DIP, aguardando decisão da Justiça.

Roberto Brasil