Em Barcelos, 700 famílias podem ser expulsas pela Aeronáutica

By -

BARCELOS-SOSA população do município de Barcelos (distante 399 km de Manaus) estão indignados e  assustados com a atual situação em que se encontram os moradores de vários bairros da cidade de Barcelos. O Juiz JUIZ RICARDO A. DE SALES deu ganho de causa em favor da Aeronáutica sobre área com soma de mais de 1/3 da cidade de Barcelos, onde já existe Bairros e moradias há mais de 2 décadas, situação essa de constrangimentos, desesperos e aflições, por residirem nos bairros de Aparecida, Nazaré, São Francisco e Bairro da Paz, compreendendo aí mais de setecentas (700) casas, aproximadamente mais de sete mil (7.000) pessoas, onde a União coloca os cidadãos moradores dos referidos Bairros, como invasores das terras e não os são.Haja vista essas terras pertencerem na verdade à COMISSÃO DE AEROPORTO DA REGIÃO AMAZÔNICA (COMARA), terras essas doadas pela PREFEITURA MUNICIPAL DE BARCELOS em 1974 com aval da CÂMARA MUNICIPAL DE BARCELOS e que, na década de oitenta, a PREFEITURA DE BARCELOS urbanizou e loteou parte dessas terras, ora ocupadas e doou a esses cidadãos que outrora havia doado à UNIÃO. Assim podemos avaliar o mesmo Órgão que doou as terras à União, posteriormente com ou sem conhecimento de causa, doou parte dessas terras à população. Por conseguinte não se caracteriza uma invasão popular e sim uma doação com loteamento e urbanização pelo poder Executivo Municipal de Barcelos. 

É importante salientar que a maioria dos moradores reside há mais de vinte e cinco (25) anos nessas terras, além do mais, no interior dessa área conflitada, foram edificados vários prédios públicos pela Prefeitura como: duas escolas municipais (Pe. Clemente e Evarista Braz); uma escola estadual (Angelina Palheta Mendes) que acabou de ser reformada com dez (10) salas de aulas, sala de mídia, sala de videoteca, refeitório e quadra poliesportiva; dois postos de saúde (um no bairro Aparecida e outro no bairro de São Francisco); dois Centro Sociais e três conjuntos de casas residenciais todos financiados pela CAIXA ECONÔMICA FEDERAL e por fim, temos um prédio sendo construído pelo Governo do Estado do Amazonas para alocar as instalações da Universidade do Estado do amazonas – UEA. (Barcelos na Net)

Roberto Brasil