Elevador de edifício despenca do 15º andar

By -

Equipamento do prédio, no bairro Ponta Negra, estava parado há dois meses. (Foto: Antônio Lima)

O elevador do edifício Castelli, no bairro Ponta Negra, na Zona Oeste de Manaus, despencou nesta quarta-feira (9) do 15º andar. O acidente alerta para segurança desses equipamentos e a necessidade de manutenção regular.

De acordo com o empresário Mário da Silva, morador do edifício, o acidente aconteceu por volta das 10h, quando três funcionários subiram até o 15º andar para realizar serviços. Quando saíram do elevador, ele desabou até o subsolo.

“Quase nem deu tempo de um dos funcionários sair de dentro. Por sorte, ninguém ficou ferido”, afirmou ele, que mora há 14 anos no prédio. Os moradores ouviram o barulho e ficaram em pânico.

Segundo a testemunha, o equipamento  havia apresentado problemas há mais de 60  dias e desde então estava parado. O prédio possui dois elevadores. “Desde terça-feira, colocaram esse elevador para funcionar novamente, mas não sabemos se ele passou por manutenção. E é isso que nos preocupa, por causa da nossa segurança, são vidas que utilizam o equipamento”, afirmou.

O síndico profissional Marcus Almeida afirmou que elevadores são equipamentos que requerem muitos cuidados para evitar acidentes. Ele destacou que costuma realizar treinamentos com empresas especializadas para os agentes de portaria dos edifícios que gerencia.

“O agente de portaria precisa estar preparado para fazer um resgate, porque existe a forma correta para isso. Se a pessoa que ficou presa for retirada de qualquer jeito, ela pode cair do elevador”, afirmou. “Muitas pessoas acreditam que podem manusear esse tipo de equipamento de qualquer forma, mas isso é perigoso. O ideal é procurar sempre a empresa que construiu o elevador, porque cada equipamento tem a sua particularidade”,  disse ele.

Marcus Almeida explicou também que geralmente quando os elevadores param de funcionar é porque a parte elétrica pode estar com defeitos. “Esse tipo de equipamento é basicamente eletricidade, ou seja, quando eles param provavelmente é porque precisa verificar o aterramento, a fiação, os cabos. Muitas vezes as panes também estão relacionadas ao pico de energia, dependo do horário que isso ocorra”, disse.

A CRÍTICA procurou o Corpo de Bombeiros para informar sobre o caso, mas a corporação afirmou que não atendeu a ocorrência.

Portal A Crítica

Roberto Brasil