Dom Sérgio Castriani é agora Cidadão do Amazonas

By -

Dom Sérgio Castriani chegou à Amazônia há 34 anos

Dom Sérgio Castriani chegou à Amazônia há 34 anos

Foi realizada na manhã desta quinta-feira (13) Sessão Especial de entrega do Título de Cidadão do Amazonas ao arcebispo Metropolitano de Manaus, Dom Sérgio Castriani, pelos relevantes serviços prestados ao Estado do Amazonas. A autoria da homenagem é do deputado José Ricardo Wendling (PT), conforme Lei nº 3.928/2013, e aconteceu no plenário da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam).

Dom Sérgio Castriani nasceu em 1954, em Regente Feijó (SP), e sua Ordenação Presbiteral foi em 1978, em São Paulo. Estudou Filosofia na Faculdade Nossa Senhora Medianeira (SP) e Teologia no Instituto Teológico Pio XI também na capital paulista. O novo arcebispo de Manaus chegou à Amazônia há 34 anos, no dia 15 de março de 1979, na cidade de Feijó (AC). Há 14 anos, iniciou seu trabalho missionário em Tefé (AM), onde foi ordenado bispo no dia 9 de agosto de 1998. E no dia 12 de dezembro de 2012, foi nomeado arcebispo de Manaus, tomando posse no dia 23 de fevereiro de 2013.

Um testemunho de missionário, que veio de São Paulo pregar a paz e a justiça e que merece o nosso reconhecimento público, frisou José Ricardo

Um testemunho de missionário, que veio de São Paulo pregar a paz e a justiça e que merece o nosso reconhecimento público, frisou José Ricardo

De acordo com José Ricardo, é justa a homenagem a Dom Castriani, um dedicado pastor, grande animador, com relevante atuação no Amazonas e com vasta caminhada junto ao povo desta região do Brasil. “Com as comunidades ribeirinhas, com os povos indígenas e com os mais necessitados, vem lutando pela garantia dos direitos básicos da população, na luta pela preservação ambiental, pregando sempre o evangelho aonde quer que vá. Um testemunho de missionário, que veio de São Paulo pregar a paz e a justiça e que merece o nosso reconhecimento público. Parabéns, Dom Sérgio, nosso novo cidadão do Amazonas”, declarou o parlamentar.

Padre José Cândido Concaveli, pároco da Igreja Menino Jesus de Praga, na Chapada, e diretor do Instituto de Teologia (Itepes), disse que esta é uma rara oportunidade de dizer o que não se fala todos os dias. “Uma bela homenagem que faz um estrangeiro ser um dos nossos. Conheci Dom Sérgio há apenas 16 anos, na Prelazia de Tefé, mas tempo suficiente para afirmar que nunca poupou esforços para estar com os mais pobres, com os ribeirinhos. Homem de igreja, incentivador das comunidades. Homem de Deus, trabalhador do Reino, que tem como título o “lavador de pés”, que veio para servir, com grande espírito de comunhão e de participação. Parabéns por esse merecido título”.

dom-sergio-cidadao-amazonense-3O grande homenageado desta manhã, Dom Sérgio Castriani, começou o seu discurso lembrando das suas experiências pelo interior da Amazônia. “É um privilégio viver no Amazonas, partilhar da vida do povo ribeirinho, região única do mundo, com rica biodiversidade. É uma honra receber esse título. E me leva a ter mais compromisso com a cidadania, com aqueles que são excluídos da cidadania plena, de continuar a servir, a lutar e a criar oportunidades. Vim para essa região como missionário. E essa homenagem compartilho com todos e todas da igreja, missionários e missionárias. Obrigado por tudo”, declarou.

Dentre as suas principais atividades antes do episcopado, destacam-se: vigário paroquial e pároco (Feijó/AC); assessor da Pastoral da Juventude, professor e vigário em São Paulo; diretor da Casa de Filosofia CSSp (SP); ecônomo provincial; e conselheiro geral do CSSp. Como bispo de Tefé, atuou como secretário da Região Norte 1 da CNBB (Norte do Amazonas e Roraima) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Missionária e Cooperação Intersclesial por dois mandatos (2003 a 2011).

Participaram desta Sessão Especial: Arquidiocese de Manaus, Centro de Direitos Humanos da Arquidiocese, Governo do Estado, Prefeitura de Manaus, Câmara Municipal de Manaus, Ministério Púbico Federal, Ministério Público do Estado, Tribunal de Justiça do Amazonas, Tribunal Regional Eleitoral, diversas pastorais da Arquidiocese, Cebs Arquidiocesana, Conferência dos Religiosos do Brasil, Fundação Rio Mar, Núcleo dos Direitos Humanos Pe. Rugerro e Projeto Cultura.

Roberto Brasil