DICA: organização e calma evitam que seu IR vá para a malha fina

By -

malha-fina-IRPFNos próximos dois meses, 27,8 milhões de brasileiros vão esmiuçar suas contas e terão que fazer a declaração do imposto de renda. O prazo para entregar a obrigação fiscal vai de 1º de março a 29 de abril, mas nesta quinta-feira (25) a Receita Federal irá liberar o programa de preenchimento do IR para quem quiser baixá-lo da internet e se adiantar.

Aqueles que têm todos os danos organizados já podem deixar a declaração pronta, mas os mais bagunçados não devem se afobar, sob pena de arranjarem ainda mais complicações com o Leão.

“Ao contribuinte que ainda não tiver a documentação em ordem, a regra é não entregar nada nos primeiros dias, porque a declaração vai para o último lugar da fila, de qualquer jeito, se precisar ser retificada. Então não adianta sair entregando só para se livrar dela e acabar errando”, aconselha Richard Domingos, diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil.

Fazer a declaração com calma, porém, não significa postergá-la até as proximidades do prazo final, como alerta o supervisor nacional da Receita Federal, Joaquim Adir.

“O ideal é não deixar para a última hora, porque antes é necessário tirar todas as dúvidas. Quanto mais complexa for a declaração – com investimentos e aplicações, por exemplo -, mais cedo a pessoa deve começar”, orienta.

Quem deve declarar

Neste ano, quem ganhou a partir de R$ 28.123,91 em rendimentos tributáveis deve entregar a declaração. Também estão obrigados aqueles que tiveram rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, acima de R$ 40 mil em 2015.

Ganhos de capital na venda de bens ou provenientes de operações no mercado de ações, patrimônio individual acima de R$ 300 mil e proprietários rurais que obtiveram receita bruta acima de R$ 140.619,55 também se enquadram na regra

Fique atento a erros

Segundo o supervisor nacional da Receita Federal, é justamente a omissão de rendimentos de uma segunda fonte além do salário, como aluguéis ou serviços avulsos, que faz com que declarações caiam na malha fina.

“Divergências com os valores retidos na fonte e a falta de declaração de renda de dependentes também costumam causar problemas ao contribuinte”, afirma Joaquim Aldir.

Em 2016, a declaração do IR tem duas mudanças importantes: para relacionar dependentes a partir de 14 anos, será necessário relacionar que eles tenham CPF. Além disso os profissionais liberais da saúde e advogados também deverão informar o CPF de seus clientes, de acordo com os serviços prestados.

Mesmo com todo cuidado na hora de preencher a declaração, é bom se precaver para um eventuais requisições da Receita.

“Continuará sendo fundamental uma análise posterior das informações, assim, é imprescindível a guarda correta dos documentos comprobatórios, os contribuintes devem ter esses disponíveis por, no mínimo seis anos”, aconselha o consultor Richard Domingos.

Roberto Brasil