Dia da Consciência Negra é comemorada pelo Projeto Jaraqui

By -

Henrique de Oliveira

Da Redação – Neste sábado (21), na Praça da Polícia, centro de Manaus, o Projeto Jaraqui comemorou o Dia da Consciência Negra destacando o trabalho do Movimento Alma Negra (MOAN) e também foram entregues medalhas Nestor Nascimento às pessoas que lutam contra a criminalização dos negros no Estado do Amazonas. Participaram o Movimento Manaus Capoeira, artistas e público em geral.

20151121_111229

Um dos coordenadores do Projeto Jaraqui, Henrique de Oliveira Melo, destacou “o 1º quilombo urbano na Praça 14 com seu líder Nestor Nascimento e a luta do Zumbi dos Palmares que veio das bases, do povo e não dos gabinetes”. Explicou ainda que o processo de racismo e discriminação contra os negros e índios é histórico (há 400 anos), sendo difícil quebrar isto, pois nos disseram que o índio e o negro seriam seres humanos inferiores, no entanto tem de ser entendida como sendo uma elite branca do capitalismo e isto pode ser conferido nas próprias leis e na própria história.

Gleice

Para o mestre Xangô de Manaus Capoeira, Josi C, a importância da capoeira no ‘Dia da Consciência Negra’ é para lembrar ainda que os negros merecem respeito. “Vemos agora que os haitianos sofrem discriminação, temos que nos orgulhar de sermos amazonenses e lutar contra este tipo de preconceito”, disse.

Luta contra a discriminação racial e de classes

Para a historiadora Gleice Oliveira,  a luta contra a discriminação racial é mesclada com a luta de classes e também faz parte do discurso da esquerda que trata de incorporar a importância de nossa etnia, de nossa cultura, da raça negra ou índia. Explica ainda que continua a luta contra a exploração, contra a opressão da sociedade contra os negros e os índios.

“Queremos desmascarar a falsa mensagem de que os descendentes dos europeus são melhores, são mais belos e estamos nas escolas trabalhando isto e podemos ver surgir cada vez mais movimentos em defesa dos direitos dos índios e negros como, por exemplo, o ‘Tambor de criola baré’ ou ‘Afoxe’ aqui em Manaus”, salientou Gleice. (Mercedes Guzmán)

Mario Dantas