Deputados federais acumulam 37 mil faltas

By -
O paraense Wladimir Costa é o que mais faltou sem justificar

O paraense Wladimir Costa é o que mais faltou sem justificar

De fevereiro de 2011 a dezembro de 2014, os deputados acumularam quase 37 mil faltas. Dessas, mais de 2,7 mil ficaram sem justificativa. Pelas regras da Câmara, falta justificada não implica desconto no salário nem ameaça o deputado com a perda do mandato. A Constitui­ção Federal prevê a cassação do parlamentar que faltar a mais de um terço das sessões em que o comparecimento é exigido. Os dados são de levantamento da Revista Congresso em Foco.

Reeleito em 2014 para o seu quarto man­dato na Câmara, Wladimir Costa (SD-PA) foi o deputado que menos esclareceu suas ausências na última legislatura. Das 180 faltas do paraense, 73 ficaram sem explicação. Ele só compareceu a 54% das sessões em que a presença era obriga­tória. Wladimir argumenta que, na maioria das vezes em que faltou, estava fazendo política em seu estado. O congressista diz que teve seu salá­rio descontado nos dias em que não justificou.

Herdeiro de uma família que está desde 1819 no Congresso, Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) deixou de justificar 61 das 104 faltas que acu­mulou entre 2011 e 2014. Integrante mais ido­so do atual Congresso, com 85 anos, Bonifácio só compareceu a 73% das sessões da legislatura passada. Ele segue na Câmara, no cumprimento de seu décimo mandato. Já são 36 anos de Casa. Depois do mineiro, o deputado que teve mais fal­tas sem justificar foi Sandro Mabel (PMDB-GO). O goiano, que não tentou a reeleição, deixou 58 ausências sem explicação.

Ao todo, 93 parlamentares faltaram o equivalen­te a um dos quatro anos da legislatura. Entre eles, quatro deixaram de comparecer a mais da metade do mandato: João Lyra (PSD-AL), Nice Lobão (PSD-MA), Zé Vieira (Pros-MA) e Paulo Maluf (PP-SP).

Na legislatura passada (2011-2014), cinco deputados federais participaram de todas as sessões deliberativas de plenário, ocasiões em que a presença física é obrigatória. Em um universo de mais de seis centenas de parlamentares com assento na Câmara, apenas Carlos Manato (SD-ES), Lincoln Portela (PR-MG), Pedro Chaves (PMDB-GO), Reguffe (PDT-DF) e Tiririca (PR-SP) estavam presentes em todas as 393 reuniões organizadas de fevereiro de 2011 a dezembro de 2014. CONGRESSO EM FOCO

Roberto Brasil