Defesa do rio Madeira ganhará reforço de frente parlamentar interestadual

By -
Dep. Dermilson Chagas

Dep. Dermilson Chagas

As consequências da construção das hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau no rio Madeira vão ganhar reforço no acompanhamento da denúncia de privatização da hidrovia feita pelo deputado estadual Dermilson Chagas (PDT), em pronunciamento no dia 15 de abril na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam). Em reunião na Confederação Nacional de Transportes (CNT), em Brasília, o deputado federal e presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Portos, Hidrovias e Navegação do Brasil, Marcos Rogério (PDT-RO) aderiu à causa.

O assunto ganhou repercussão após audiência pública, promovida pelo deputado Dermilson Chagas, no dia 18 de maio, quando o representante do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit), Evainton de Oliveira, declarou que o Governo Federal quer privatizar o rio Madeira por causa da aceleração do assoreamento na hidrovia. O problema, segundo Oliveira, está sendo provocado pelas obras das hidrelétricas de Santo Antônio e Jirau, que implicaram num aumento do custo de dragagem do rio.

Marcos Rogério e Dermilson Chagas defenderam a ideia de criar uma Frente Parlamentar das Assembleias Lgislativas estaduais do Amazonas e de Rondônia para acompanhar o caso e se adiantar às consequências da privatização da hidrovia. Na reunião, promovida pela Federação Nacional das Empresas de Navegação Aquaviária (Fenavega), a entidade mostrou estudos que indicaram as consequências danosas de construções de barragens nos rios Tietê e Paraná.

“Na reunião que participei, promovida pela Fenavega, fiquei impressionado com as consequências e danos ao meio ambiente e às comunidades que vivem ao longo desses rios por causa da construção de barragens. E é o que está ocorrendo aqui com o Madeira, pelos relatos das pessoas que vivem no local e de empresários que navegam no rio. Os bancos de areia se multiplicam e os peixes rareiam. Isso preocupa também porque vários postos de emprego se perdem com a diminuição das condições de navegabilidade e com a diminuição dos peixes”, declarou Chagas.

Dermilson Chagas avaliou que é positiva a criação de uma frente parlamentar atuante em defesa dos interesses da região. Na audiência pública, promovida pelo parlamentar no dia 18 de maio para tratar o assunto, participaram os deputados da Aleam, Adjuto Afonso (PP), Abdala Fraxe (PTN) e Bi Garcia (PSDB). “Temos que envolver também outros órgãos, os cientistas e a sociedade civil. Não podemos ficar passivos diante das obras e intervenções feitas no nosso Estado. Temos que entender o impacto atual e futuro dessas mudanças na nossa região”, declarou o parlamentar.

Roberto Brasil