Defensoria Pública presta assistência psicossocial a família ameaçada de morte

By -

A Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) está prestando assistência psicossocial, por meio do projeto “Um Novo Amanhã”, a uma família que tem uma criança de seis anos de idade vítima de violência sexual e que está ameaçada de morte. Segundo denúncia da mãe da criança, os familiares do agressor responsabilizam a família dela pela morte dele, que era réu confesso e foi morto durante a rebelião no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) no início deste ano. Por questão de proteção à criança o nome da mãe será omitido.

O projeto “Um Novo Amanhã” tem como foco o atendimento psicológico, jurídico e social às crianças e adolescentes vítimas de violência e exploração sexual, estendendo o acompanhamento psicossocial aos agressores.

A família chegou até o projeto após ser encaminhada pela Delegacia Especializada Em Proteção à Criança e ao Adolescente(DEPCA), parceira do projeto, onde a mãe fez o registro das ameaças de morte em um Boletim de Ocorrência (B.O.) . Além da criança que sofreu a violência, ela tem mais dois filhos e, como a família se encontra em situação vulnerável, decidiu buscar o apoio da Defensoria Pública.

Sobre o projeto ‘Um Novo Amanhã’

O atendimento do projeto “Um Novo Amanhã” é feito no núcleo de Atendimento Psicossocial da Defensoria Pública, que fica na Rua 24 de Maio, 321, Centro, de segunda a sexta-feira, das 8h às 13h. O projeto conta com duas salas, sendo uma de recepção e a outra para o atendimento das crianças e adolescentes, bem como, dos agressores, que serão recebidos em horários distintos. O atendimento psicológico às crianças é feito com o auxílio de ferramentas lúdicas. Atualmente, o projeto tem atuado no atendimento a quatro crianças vítimas de violência sexual.

O projeto atende casos encaminhados pelos órgãos do Estado que atuam na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, como a Delegacia de Proteção à Criança e do Adolescente (DEPCA) e Conselhos Tutelares, mas também serve como uma via de entrada para o encaminhamento inicial de investigações e atendimento às vítimas.

Roberto Brasil