Da piscina para os tatames

By -
"Existem regras no karatê que nos dão melhorias no dia a dia como pessoas", frisou Thaís Emanuele

“Existem regras no karatê que nos dão melhorias no dia a dia como pessoas”, frisou Thaís Emanuela

A atleta amazonense de karatê Thaís Emanuela de Lima Soares, 15, que detém um histórico de 37 medalhas conquistadas em 15 competições, conta com o apoio da Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer (Semjel), para participar do próximo desafio na carreira. Ela vai viajar para o Rio de Janeiro, onde participa do 11º Campeonato de Karatê Shotokan, no período de 14 a 20 de novembro.

Praticante da arte marcial desde os 10 anos, a jovem revela que buscou no esporte força para superar os medos. “Eu era muito tímida na escola e, até mesmo, com a vizinhança. Sempre fui uma criança gordinha e isso gerava apelidos. Sofria com bullying, mas consegui buscar no karatê o incentivo para me tornar mais forte. Não só fisicamente, como também mentalmente”, explicou Emanuela.

A mãe da atleta, Rai Carvalho, confirma o fato de o esporte ter sido sempre um incentivo na vida da filha. “Sempre busquei o melhor para a Thaís. Ainda quando pequena, por volta dos 8 anos, eu a matriculei  na natação para que se sentisse melhor com seu físico”, comentou, acrescentando que a filha chegou a participar de algumas competições no interior do Estado, mas aos 10 anos tomou a decisão de mudar a vida.

Foi então que começou a praticar o karatê. Na modalidade, Emanuela ganhou destaque e conquistou dois troféus como melhor karateca nos campeonatos brasileiros de 2011 e 2012. Em meio ao sucesso, ela lembra também da única derrota que teve nos confrontos dos quais participou. Foi durante sua participação no 14ª Campeonato Brasileiro de Karatê, em Aracaju (SE).

“Infelizmente em uma das etapas da competição, enquanto lutava, acabei sofrendo uma lesão muscular no joelho. Na hora eu quis continuar, mas fui impedida pela comissão técnica da delegação amazonense, da qual faço parte”, relatou Thaís.

Segundo a atleta, a lesão resultou em seu afastamento por sete meses, período em que precisou passar por acompanhamento médico, necessário para a recuperação.

A esportista reforça que o novo estilo de vida, ensinou-a a construir um bom caráter, ter disciplina e respeito por pessoas mais velhas. “Existem regras no karatê que nos dão melhorias no dia a dia como pessoas. São coisas simples, mas que se tornam importantíssimas quando passam a ser realizadas”, frisou Thaís.

Roberto Brasil