Cunha se recusa a depor na PF sobre Operação Lava Jato

By -
Eduardo Cunha alega já ter dado dois depoimentos  à respeito

Eduardo Cunha alega já ter dado dois depoimentos à respeito

A defesa do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), informou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que ele não tem interesse em prestar depoimento à Polícia Federal neste momento sobre seu suposto envolvimento no esquema da Operação Lava Jato. O peemedebista ingressou com um pedido no STF para ser dispensado da oitiva justificando já ter se manifestado em depoimento na CPI da Petrobrás e em agravo regimental.O ministro Teori Zavasck, relator da Lava Jato no STF, acatou o pedido da defesa.

“Cumpre apenas registrar o desinteresse do investigado em prestar esclarecimentos à autoridade policiais, sem prejuízo de oportunidade futura”, escreveu o ministro. O criminalista Reginaldo Oscar de Castro, que defende Cunha, afirmou ao Estado que um novo depoimento seria “chover no molhado”.

“Esses esclarecimentos nesta fase do processo são fruto de uma concessão que se faz às pessoas que ocupam determinados cargos se quiserem. Como ele já apresentou sua defesa na CPI e numa petição seria chover no molhado.” No depoimento à CPI, Cunha recebeu elogios dos colegas, aplausos e manifestação de apoio e apresentou sua versão sem ser inquirido.

Eduardo Cunha alega já ter dado dois depoimentos sobre suposta participação no Lava Jato Dida Sampaio/Estadão

A defesa de Cunha aposta numa petição para que o STF reveja a decisão de abrir inquérito contra o peemedebista. Caso o ministro Teori Zavasck mantenha a investigação, a petição será analisada no plenário da Corte.O doleiro Alberto Youssef, personagem central da Operação Lava Jato, declarou à força tarefa do Ministério Público Federal que o lobista Julio Camargo pediu propina que seria destinada ao deputado Eduardo Cunha.

Em depoimento gravado em vídeo o doleiro afirmou que a propina teve origem em um contrato de locação de sondas para a Petrobrás do qual Camargo participou. Ele disse que o dinheiro foi entregue diretamente ao lobista Fernando Falcão Soares, o Fernando Baiano, suposto operador do PMDB na estatal petrolífera e muito próximo ao presidente da Câmara. Cunha tem reiterado que jamais recebeu dinheiro ilícito de negócios de empreiteiras com a Petrobrás. O peemedebista disse que conhece Fernando Baiano, mas que nunca trataram de pagamento de propinas. Cunha afirma que o Ministério Público Federal “selecionou” quem deve ser investigado no âmbito da Operação Lava Jato.

Dos políticos investigados, já prestaram depoimento: Gleisi Hoffmann, que foi acompanhada do marido, o ex-ministro Paulo Bernardo; os senadores Lindbergh Farias (RJ), Humberto Costa (PE), ambos do PT. E os deputados do PP do RS Jerônimo Goergen, Renato Molling e Luiz Heinze. Os parlamentares alvos da Operação Lava Jato têm se queixado do “constrangimento” de se apresentarem à Polícia Federal. Segundo relatos de interlocutores, o pedido é para que os próximos possam depor na sede da Procuradoria-Geral da República (PGR), local mais discreto e longe do alcance da imprensa. As diligências de investigação dos políticos supostamente envolvidos na Lava Jato tinham prazo inicial de 30 dias para serem cumpridas, a contar da abertura dos inquéritos. O prazo se esgotaria nesta semana, mas a Procuradoria-Geral da República autorizou um adiamento. (Estadão)

Roberto Brasil