Criança de 10 anos dá à luz após ser estuprada por três homens no Careiro

By -

A jovem deu à luz e a polícia fará DNA para descobrir qual deles é o pai (Foto: Márcio Melo)

Dois homens foram presos no km 8 do Ramal do Passarinho, na tarde desta sexta-feira (30), por suspeita de estuprar e engravidar uma menina de 11 anos, no município do Careiro (distante 88 Km de Manaus). O ato ocorreu entre agosto e outubro de 2016.

De acordo com o delegado Daniel Antony, titular da 34ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP) do Careiro Castanho, o primeiro caso ocorreu quando a menor foi até à casa do pai do padrasto, um idoso de 65 anos, para vender rifas da escola.

“A criança havia ido à casa do suspeito vender uma rifa escolar e ele a levou para o andar de cima. No local, ele a violentou em uma rede”, explicou o delegado.

Ainda segundo o delegado, cerca de um mês após o primeiro estupro, um segundo caso ocorreu com a mesma menina. Ela estava indo para escola em uma Kombi escolar, conduzida por um homem de 53 anos, quando foi violentada por ele.

“Durante o trajeto, o motorista da Kombi escolar pediu para que a menor o acompanhasse para pegar outras crianças no km 11 da estrada de Autazes. No meio do caminho, ele desviou o percurso para uma estrada vicinal e abusou da menor”.

A investigação iniciou após denúncia de uma profissional da área de saúde do município ao Segurança Agora, exibido na TV EM TEMPO, que repassou o caso à Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP). Segundo a delegada titular da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), Juliana Tuma, o caso foi registrado no dia 24 de janeiro deste ano, pela mãe da vítima.

Terceiro caso

Na ocasião, a menor estava grávida de 23 semanas. Durante o depoimento, a menina relatou também que ainda foi estuprada por um terceiro homem, também parente do padastro. A prisão do suspeito ainda depende de identificação.

“Esse caso foi registrado aqui na delegacia em janeiro. A vítima nos relatou que era estuprada desde os 10 anos, porém, em razão da criança já estar com 23 semanas de gravidez, o aborto sentimental não pôde ser realizado. Após ela ter dado à luz, foi ouvida novamente na delegacia. Nessa segunda oitiva, ela relatou o caso do terceiro suspeito,” explicou a delegada.

Juliana ressaltou que, para respaldar os autos do crime, foi colhido material genético do bebê, com a finalidade de identificar o pai. Após a prisão, os suspeitos serão encaminhados à Depca para prestar depoimentos. Por enquanto, os suspeitos continuam na carceragem da delegacia do Careiro.

(Com EM TEMPO)

Roberto Brasil