Comissão de Defesa do Consumidor intervém junto a Caixa para resolver falta de dinheiro em Manaquiri

By -

reuniãocaixa

Os problemas de falta de dinheiro e de terminais de atendimento da Caixa Econômica Federal em Manaquiri (a 79 quilômetros da capital) foram tratados, na manhã de hoje, em reunião na Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Amazonas (CDC-Aleam) entre o presidente, deputado Abdala Fraxe (PTN), o gerente regional da instituição, Wellyngton Veloso, e um grupo de vereadores do município.

O vice-presidente da Câmara Municipal de Manaquiri, Joel Batista, informou que a população hoje conta com apenas um terminal de atendimento da Caixa em uma Casa Lotérica para atender todo o município, o que tem causado longas filas e falta de dinheiro, principalmente nos últimos dez dias úteis do mês, quando é pago 3.135 benefícios do Bolsa Família.

“Nos dias de pagamento, os beneficiários começam a fazer fila na frente da Loteria ainda de madrugada, para não correr o risco de ficar sem o benefício por falta de dinheiro, uma vez que a Caixa envia apenas R$ 300 mil para o terminal e o montante necessário para o pagamento do Bolsa Família no município é de R$ 500 mil”, afirmou o vereador.

Os vereadores Francisco Rolim, presidente da Câmara, Orlan Souza, relator da Comissão de Defesa do Consumidor do município, e o vereador João de Oliveira, reivindicaram a instalação de uma agência da Caixa ou de mais terminais para atender os moradores de Manaquiri. De acordo com eles, com a instalação da CDC municipal as reclamações sobre o problema são constantes.

Abdala Fraxe explicou ao gerente da Caixa que a falta de dinheiro é recorrente não só em Manaquiri, mas na maioria dos 57 municípios por onde passou com o Programa de Interiorização instalando as comissões municipais. Fraxe exemplificou situações semelhantes que pôde constatar em Lábrea, Caapiranga e Nova Olinda do Norte. “Nessas localidades não tem dinheiro suficiente para atender os clientes, as instalações dos terminais são precárias, fazendo a população enfrentar longas filas, sob sol e chuva. A comissão está fazendo a sua parte fiscalizando e enviando requerimentos à Caixa solicitando melhorias”, ressaltou.

O gerente regional da Caixa reconheceu o problema nos municípios citados. No entanto, ele informou que a instituição não possui projeto de expansão de agências para o interior do Amazonas, devido ao alto custo para mantê-las. No caso de Manaquiri, Veloso informou que um comerciante local está em processo de credenciamento para instalação de um auto-atendimento e a Casa Lotérica do município irá receber mais um terminal para autenticações, o que deverá amenizar o problema das filas.

Sobre a falta de dinheiro, o gerente esclareceu que, como a única instituição financeira instalada em Manaquiri é o Bradesco e o mesmo não dispõe de autorização para pernoitar com o numerário superior, o aumento do montante enviado ao município é inviável. Veloso sugeriu que os beneficiários migrem o cartão do Bolsa Família para um cartão de conta corrente simplificado, sem custos para o cliente, o que daria a possibilidade de transações com débito no comércio local, sem a necessidade de saque imediato.

Audiência pública

No próximo dia 26, a Câmara Municipal de Manaquiri irá realizar uma audiência pública com a Caixa e os beneficiários do Bolsa Família para explicar a situação, na tentativa de conscientizar a população sobre a mudança do cartão para evitar as longas filas e minimizar a falta de dinheiro nos terminais da Caixa.

Mario Dantas