CMM irá apurar se houve assédio no caso Wilker Barreto-Joana D´Arc

By -

“Algumas situações ocasionam a quebra do decoro e temos que observar que não hajam excessos”, salientou Wallace Oliveira (Foto: Thiago Motta)

Na próxima quinta-feira (8), a partir das 10h, a 12ª Comissão de Ética da Câmara Municipal de Manaus (CMM) se reúne para iniciar os trabalhos de investigação na suposta prática de assédio moral e psicológico à vereadora Joana D’Arc (PR) atendendo ao requerimento nº 1861/2017  do presidente Wilker Barreto (PHS). O anúncio foi feito hoje, dia 6, pelo vereador daquela casa legislativa enquanto o debate girava em torno se existiam peritos para a investigação.

O caso se refere ao episódio ocorrido na ultima terça-feira (30 de maio), no plenário da CMM, envolvendo a vereadora Joana D´Arc e o presidente Wilker Barreto. Na oportunidade, a parlamentar tinha solicitado a palavra quando a sessão já se encaminhava para o encerramento e a mesa diretora considerou como improcedente porque não estava inscrita para falar e o tempo tinha sido esgotado conforme o regulamento interno.

Embora o presidente da CMM tenha reconhecido que foi descortês com a colega de parlamento, a mesma afirmou hoje (6) não ter desqualificado o grupo de trabalho da casa.  “Em momento algum desmereci o trabalho da comissão, apenas observei o requerimento que estava equivocado e pela falta de competência técnica para avaliar o caso no que se refere a assédio. Por mim não estava mais falando nesta situação e irei enfrentar de peito aberto. Vamos tomar as providências. Agora esta em mãos da comissão”, destacou.

Primeiro trabalho da Comissão de Ética

O presidente da Comissão de Ética da CMM, Wallace Oliveira, explicou que nesta primeira legislatura é o primeiro trabalho a ser realizado. “É a primeira provocação e iremos iniciar esta quinta-feira. A solicitação de investigação de assédio foi feita pelo próprio presidente Wilker Barreto e faremos isso”, informou.

“Nós recepcionamos o ofício encaminhado a esta comissão que solicita abertura de processo de investigação contra o vereador Wilker Barreto. Estaremos nos reunindo para nortearmos o trabalho dentro o que preconiza o Regimento Interno. Iremos ouvir a todos os envolvidos e iremos divulgar o prazo para o resultado”, destacou.

“Temos como principal objetivo nortear os procedimentos no nível de relacionamento institucional dos vereadores, temos que entender que a tribuna é inviolável, mas deve haver respeito entre os parlamentares, deve se defender o ponto de vista sem ofensas, com respeito, a comissão de ética trabalha quando provocada, algumas situações ocasionam a quebra do decoro e temos que observar que não haja excessos”, salientou Oliveira.

Referente à preocupação da vereadora Joana D’Arc de que não se contava com peritos para apurar tecnicamente se houve assédio, o presidente da Comissão de Ética afirmou que caso necessário haverá a participação de especialistas para apurar as investigações.///Mercedes Guzmán

Roberto Brasil