Chegada do Uber à Manaus gera protesto de taxistas na CMM

By -

A categoria acredita que a situação no setor deve ser agravada com a entrada do serviço

Taxistas se reuniram na manhã desta segunda-feira (13) para protestar em frente à Câmara Municipal de Manaus (CMM), na Zona Oeste, contra a chegada de aplicativos de transporte privado como o Uber. O vereador Bessa (PHS) propôs um Projeto de Lei que impedisse a permanência dessa modalidade na cidade. Outros estados como São Paulo propuseram projetos de lei semelhantes, mas sem sucesso.

Durante a ação na Câmara Municipal de Manaus, o presidente do Sindicato dos Condutores Autônomos e Taxistas de Manaus (Sintax-AM), Luiz Augusto, comentou que a intenção da categoria é manifestar contra a chegada do Uber.

“Somos totalmente contra. Escutamos um representante do Uber aqui em Manaus na CMM, e não concordamos com a chegada desse serviço. Nós estamos hoje em uma situação difícil na nossa categoria, porque existem aplicativos que só estão tirando da gente. Imagina se isso acontecer”, lamentou o presidente do sindicato.

Há 30 anos atuando como taxista em Manaus, Josué Feitoza questionou a chegada do serviço. Segundo ele, a categoria será muito prejudicada caso isso venha acontecer. “Eu tenho mais de 30 anos de praça. Eu queria saber como eles podem cobrar uma corrida mais barato que o táxi. Porque fazemos uma corrida para o aeroporto tabelada em torno de 65 reais. Não tem como fazer por menos. Isso é lavagem de dinheiro. Vai acabar com a classe dos taxistas”, ressaltou.

Em defesa do Uber

O vereador Carlos Portta (PSB) entrou com pedido para realizar uma Audiência Pública na CMM referente à vinda do Uber. Por conta disso, taxistas foram na manhã de hoje protestar contra a chegada da empresa de transporte privado urbano na cidade.

De acordo com Portta, a Audiência Pública com entidades que defendem a vinda do Uber para Manaus e taxistas ainda não tem data definida, mas o requerimento já foi enviado para a casa.  Na última sexta-feira (10), o político se reuniu com representantes de uma ONG que defende que o Uber irá trazer melhorias para a cidade, como geração de emprego e renda.

“Estamos fazendo perguntas nas redes sociais para ouvir a população para saber o que melhor para todos. Entendemos que os taxistas não podem ser prejudicados, mas Manaus não pode ficar de fora de um circuito  mundial de tecnologia que traz melhorias para todos e que, principalmente, aquece a economia e gera empregos”, declarou Portta.

Em busca de colaboradores

A empresa de transporte privado urbano Uber deve desembarcar em Manaus em breve e ser a primeira cidade da região Norte a receber o serviço de “carona remunerada”. Prova disso é que a empresa americana está selecionando um “coordenador greenlight” que deve trabalhar cadastrando novos motoristas a fazerem parte da plataforma local.

Em matéria publicada no final do mês passado no portal A Crítica, a assessoria de impressa do Uber disse que qualquer cidade que tem problemas de mobilidade urbana, como Manaus, são visadas pela empresa.

A empresa informou que para o serviço ser ativado na cidade é necessário, primeiramente, a busca de talentos e o compartilhamento de informações com os próprios cidadãos que tenham interesse em trabalhar dirigindo na plataforma do Uber. A seleção da vaga consta na página da empresa no Linked In.

O serviço funciona por meio de uma rede de motoristas autônomos com veículos próprios, cadastrados para se tornarem parceiros pela empresa e prestar serviço de transporte a preços competitivos, obedecendo alguns critérios de padronização. O usuário cadastrado aciona o serviço através do aplicativo Uber, que localiza os motoristas mais próximos do cliente. Ao acionar o serviço, o aplicativo já mostra previamente para o usuário o nome do motorista, a placa do veículo e o preço da corrida.

(Do Portal A Crítica)

Roberto Brasil