Chapa Braga-Marcelo Ramos, a mais rica da eleição

By -

Eduardo Braga | Marcelo Ramos

A coligação de Eduardo Braga (PMDB) e Marcelo Ramos (PR) é a mais rica da campanha da eleição suplementar 2017 ao Governo do Amazonas, marcada para agosto.

Os bens declarados à Justiça Eleitoral pelos dois candidatos formam um patrimônio de quase R$ 32 milhões.

Muito atrás, em segundo, vem a chapa de Rebecca Garcia (PP) e Abdala Fraxe (Podemos) com R$ 4,4 milhões.

O patrimônio de Braga em menos de três anos, da eleição de 2014 para cá, cresceu R$ 4 milhões. Saltou de R$ 27,2 milhões para R$ 31,2 milhões, um crescimento de 13%.

Contudo, a evolução patrimonial de Marcelo Ramos é a mais promissora porque cresceu mais de 100% de 2014 até junho deste ano.

Quando disputou as eleições ao governo contra Braga em 2014, Marcelo Ramos declarou que possuía R$ 321,4 mil em bens. Agora, disse à Justiça Eleitoral que seu patrimônio saltou para R$ 659,6 mil.

A riqueza de Marcelo Ramos evoluiu mais de 2016 para hoje, em menos de um ano. É que quando disputou a Prefeitura de Manaus no ano passado ele declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que possuía R$ 399 mil em bens.

O sucesso patrimonial de Marcelo só não teve igual nos dois anos seguintes às eleições de 2014, embora a evolução tenha sido de 24%. Nesse período, seu capital aumentou R$ 78 mil, conforme declarou ao TSE.

Rebecca cresce

O patrimônio de Rebecca, vice de Braga em 2014, evoluiu na casa de 10%, segundo os dados apresentados à Justiça Eleitoral. Tinha R$ 3,5 milhões, e agora tem R$ 3,8 milhões.

Zé Ricardo 100%

Na comparação de bens declarados à Justiça pelo deputado estadual José Ricardo (PT) das últimas eleições de que participou, em 2016 e nesta de 2017, seu patrimônio cresceu 100%.

Quando concorreu a prefeito de Manaus em 2016, tinha R$ 692,2 mil. Hoje, menos de um ano depois, seus bens declarados alcançam R$ 1,3 milhão.

Amazonino empobreceu R$ 3 milhões

O ex-governador Amazonino Mendes (PDT) sofreu uma involução de 3.800% no seu patrimônio em nove anos, de acordo com as duas últimas declarações de bens que forneceu à Justiça Eleitoral, em 2008 e 2017.

Em 2008, quando foi eleito prefeito de Manaus, Amazonino declarou bens na ordem de R$ 3,1 milhões. Agora, candidato a governador tampão, ele disse ter apenas R$ 118,5 mil.

Mesmo tendo passado quatro anos como prefeito, o que, apenas em salário de prefeito, lhe renderia pelo menos um milhão a mais nesse intervalo de tempo, teve seu patrimônio diminuído.//Portal dos Báres

 

Mario Dantas